Bolsonaro defende comentaristas de direita e diz que esquerda não respeita a democracia

Redação

bolsonaro constantino narloch coppolla lacombe

Jair Bolsonaro (sem partido) publicou mensagens de apoio a quatro comentaristas políticos de direita na noite deste sábado (11). Luís Ernesto Lacombe, Leandro Narloch, Caio Coppolla e Rodrigo Constantino foram mencionados pelo presidente, que argumentou que qualquer um que não seja crítico ao governo se torna alvo de perseguição.

“Luís Lacombe, Leandro Narloch, Caio Coppolla e Rodrigo Constantino possuem algo em comum, que é opinião própria e independência. Isso já é suficiente para serem considerados nocivos dentro de grande parte da mídia, hoje completamente dominada pelo pensamento de esquerda radical”, disse ele.

“Não tenho relação com nenhum desses. Inclusive, por diversas vezes, sou alvo de suas críticas. Mas no Brasil formou-se um cenário onde não ser radicalmente crítico a um governo conservador/liberal já é motivo para ilações e perseguições. A esquerda não respeita a democracia!”, completou.

Diagnosticado com coronavírus, Bolsonaro deverá cumprir isolamento por mais uma semana. A primeira-dama Michelle Bolsonaro, no entanto, anunciou neste sábado que testou negativo para covid-19.

QUEM SÃO OS COMENTARISTAS MENCIONADOS POR BOLSONARO?

O jornalista Luís Ernesto Lacombe pediu demissão da Band após ter sido afastado do programa “Aqui na Band” no final de junho após entrar em discordâncias com o departamento de jornalismo da emissora por causa das suas pautas conservadoras.

Antes, ele trabalhou na área de Esportes da Rede Globo, atuando no Esporte Espetacular e Bom Dia Brasil, por exemplo. Contudo, na Band, passou a atuar como defensor do presidente Jair Bolsonaro. Em um dos programas, promoveu o debate sobre “quem mandou matar Jair Bolsonaro”, que gerou muita discussão internamente.

Já o jornalista Leandro Narloch foi demitido da CNN Brasil nesta semana após fazer comentários homofóbicos, negados por ele. No programa “Visão CNN”, ele associou a população homossexual à promiscuidade e restringiu a AIDS à comunidade gay. Além disso, também causou revolta a expressão “opção sexual” quando o correto é “orientação”.

O episódio foi mal visto pela direção do canal, que optou pelo desligamento do jornalista. Contudo, ele segue como colunista da Crusoé.

Caio Coppolla atua como comentarista na CNN e na rádio Jovem Pan além de ser bacharel em Direito e youtuber. Ele é figura constante e que defende a visão da direita no “Grande Debate”. Nesta semana, o quadro ficou marcado pela saída do debatedor Augusto de Arruda Botelho, que permanece no canal após alegar desgaste do programa de debate. Nesta semana, ele acusou Caio de ter cometido “falácia argumentativa”.

Em maio, Coppola chegou a tomar uma bronca da apresentadora Monalisa Perrone, mediadora do debate. Antes de Botelho, o contraponto de Coppola era Gabriela Prioli, que também optou em sair do quadro.

Por fim, Rodrigo Constantino é economista liberal que atua como comentarista na Jovem Pan e colunista da Gazeta do Povo. Crítico frequente da esquerda, ele gerou alvoroço em fevereiro após discussão com o colega Marco Antonio Villa.

Na ocasião, os dois estavam discutindo o plano do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de deportar brasileiros que entrassem ilegalmente no país. Durante a discussão, Constantino provocou o colega: “até um papagaio repete datas”, que gerou indignação de Villa.

Previous ArticleNext Article