Buracos negros, fractais, rede social das plantas; da universidade para a mesa de bar

Ondas gravitacionais, vulcões, formigas, fractais, big data, a importância do sono, a ciência do hambúrguer, a rede soci..

Jordana Martinez - 08 de maio de 2018, 19:01

Foto: Samira Chami Neves – Sucom/UFPR
Foto: Samira Chami Neves – Sucom/UFPR

Ondas gravitacionais, vulcões, formigas, fractais, big data, a importância do sono, a ciência do hambúrguer, a rede social das plantas. Regados a muita cerveja, esses temas curiosos, normalmente discutidos nas universidades, ganham a mesa de bar no Pint of Science – festival de divulgação científica.

Duas mil pessoas são esperadas para os três dias do festival, que acontece em 21 países. No Brasil, as atividades acontecerão simultaneamente em 56 cidades – no ano passado foram 22.

Em Curitiba, cinco bares participam da programação, que acontece entre os dias 14 e 16 de maio.

“No ano passado o evento ocorreu em três locais diferentes, com público excelente nas três noites. Por isso este ano aumentamos para cinco locais, de forma a atender melhor a parcela da população interessada em ciência”, diz Lauro Luiz Samojeden, professor do Departamento de Física da Universidade Federal do Paraná e coordenador do evento em Curitiba.

Samambaia, salsicha, buracos negros e outras questões

Ao longo dos três dias, serão 15 sessões de conversas, distribuídas entre os bares Cervejaria Bodebrown, We are Bastards Pub, Drakkar Beer & Food, Hendrix BrewHouse e Hop’n Roll Brewpub .

“Este ano procuramos abranger um número maior de áreas do conhecimento. Teremos pesquisadores da UFPR e da UTFPR das áreas de física, filosofia,informática, astronomia, zoologia, design e fisiologia”, informa o professor Lauro Samojeden.

Será uma oportunidade para muitas descobertas. No bate-papo com os pesquisadores, os participantes terão respostas para questões tão diferentes como: Tem papelão na salsicha? Por que a música fala a língua da ciência? Como a samambaia e o manjericão se comunicam dentro do seu apartamento? Dormir é perda de tempo?

Ou ainda: O que a nossa cultura tem a ver com a nossa cor predileta? O que as formigas contam sobre nós? O que são buracos negros? Por que devemos nos preocupar com o declínio nas populações de insetos? Quais as aplicações dos fractais na ciência, na vida e na arte? A presença das mulheres na ciência também será tema de um dos encontros.

Não há necessidade de inscrição prévia. A entrada é gratuita – paga-se apenas o que for consumido nos estabelecimentos – e não há emissão de certificado.

O festival

O Pint of Science nasceu em 2012, como uma iniciativa de dois pesquisadores do Imperial College London, que convidaram pessoas com Alzheimer, Parkinson, doenças neuromusculares e esclerose múltipla para conhecer os laboratórios dos cientistas e ver de perto o tipo de pesquisa que realizavam.

A partir daí, o festival se expandiu graças a uma rede de voluntários. No Brasil, a primeira edição aconteceu em 2015, em São Carlos (SP), por iniciativa da jornalista Denise Casatti, do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC-USP).

Os coordenadores e cientistas participantes do festival não recebem remuneração – a ideia é compartilhar e debater o conhecimento de forma voluntária.

Programação em Curitiba (todas as sessões acontecerão das 19h30 às 21 horas)

Cervejaria Bodebrown – R. Carlos de Laet, 1015 – Vila Hauer

14 de maio 

Histórias que formigas contam sobre nós – com Rodrigo Machado Feitosa, doutor em Entomologia e professor adjunto do Departamento de Zoologia da UFPR.

15 de maio 

Ondas gravitacionais: impactos científicos e tecnológicos – com Carlos Henrique Coimbra Araujo, doutor em Física e professor adjunto da UFPR.

16 de maio 

Os fractais na ciência, na vida e na arte – com Ricardo Luiz Viana, pós-doutor em Física e professor titular do Departamento de Física da UFPR.

Drakkar Beer & Food – R. Chile, 2067 – Rebouças

14 de maio 

Desafios na conservação das abelhas urbanas – com Rodrigo Barbosa Gonçalves, doutor em Biologia e professor do Departamento de Zoologia da UFPR.

15 de maio 

Interdisciplinaridade: uma crítica filosófica – com Eduardo Salles de Oliveira Barra, doutor em Filosofia, professor do Departamento de Filosofia da UFPR e atualmente pró-reitor de Graduação e Educação Profissional.

16 de maio

A vida tem a cor que você pinta? – com Luciana Matha Silveira, pós-doutora pela Universidade de Michigan e professora da Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

Hendrix Brew House – Rua Alberto Bolliger, 721 – Juvevê

14 de maio

Por que a música fala a lingua da ciência? – com Guilherme Gabriel Ballande Romanelli, doutor em Educação e professor adjunto no Departamento de Teoria e Prática de Ensino da UFPR.

15 de maio

Uma pitada de ciência no hambúrguer – com Carlos Eduardo Rocha Garcia, doutor em Ciência de Alimentos e professor da UFPR.

16 de maio

A rede social das plantas – com Daiane Maria Pilatti, mestre em Conservação e Manejo de Recursos Naturais e doutoranda em Ecologia e Conservação

Hop’n Roll Brewpub – R. Mateus Leme, 950 – Centro Cívico

14 de maio

Vulcões:as veias abertas do planeta – com Otávio Augusto Boni Licht, pós-foutor na área de Geociências

15 de maio

Insetopia ou distopia entomológica? Por que devemos nos preocupar com o declínio nas populações de insetos? – com Ângelo Parise Pinto, doutor em Ciências Biológicas (Zoologia) e professor adjunto do Departamento de Zoologia da UFPR.

16 de maio

All you need is sleep – com Fernando Mazzilli Louzada, pós-doutor na área de Neurociência e professor associado do do Departamento de Fisiologia da UFPR.

We are bastards Pub – Av. Iguaçu, 2300 – Água Verde

14 de maio

My precious! Novos anéis no sistema solar – com Felipe Braga Ribas, doutor em Astronomia e Astrofísica.

15 de maio

Big data e transparência: por quê isso é problema seu? – com Marcos Sfair Sunye, pós-doutor na área de Informática e professor titular na UFPR.

16 de maio

As cientistas estão chegando... – com Elisa Souza Orth, pós-doutora na área de nanomateriais.