Diretora do Théâtre du Soleil comanda espetáculo pela primeira vez fora da França em “As Comadres”

“As Comadres” é um projeto inédito no Brasil não somente pelo texto, como também por sua estrutura de produção e intercâ..

Redação - 17 de março de 2019, 07:39

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

“As Comadres” é um projeto inédito no Brasil não somente pelo texto, como também por sua estrutura de produção e intercâmbio de saberes. Ele nasce do desejo da atriz Juliana Carneiro da Cunha em voltar aos palcos brasileiros após longa parceria com a companhia de teatro francesa, Théâtre du Soleil, da qual faz parte desde 1990. O espetáculo está na Mostra 2019 do Festival de Curitiba, nos dias 27 e 28 de março, no Guairinha.

O espetáculo tem direção geral de Ariane Mnouchkine, diretora francesa à frente do Théâtre du Soleil desde 1964, uma referência na história do teatro ocidental e que pela primeira vez dirigirá uma peça fora de seu país.

A produção conta a história de Germana que, ao ganhar um milhão de selos premiados, convida irmãs, cunhadas, vizinhas e amigas para colar os selos e fofocar. Este é o pano de fundo para se tratar de importantes temas relacionados ao universo feminino como maridos e filhos, trabalho, medo da morte, alegrias cotidianas.

Com humor, leveza e maestria dramatúrgica, a peça, escrita em ‘joual’ (dialeto quebequense), fala sobre a opressão, a repressão e a desvalorização da mulher, questões que sempre tiveram a atenção especial de Ariane Mnouchkine.

“As Comadres” é um projeto que nasce do encontro entre três culturas, três formas de concepção da cena: dramaturgia canadense, encenação francesa e elenco e equipe brasileiros. Aquilo que une esta tríade é o desejo de enveredar por uma pesquisa vertical sobre o teatro e descobrir sua força de comunicação com as plateias contemporâneas.