Euclides Scalco, Cidadão Honorário do Paraná, morre aos 88 anos vítima da Covid-19

Redação


O ex-deputado Euclides Scalco, Cidadão Honorário do Paraná e ex-ministro do governo FHC, morreu na madrugada desta terça-feira (16) aos 88 anos após lutar contra a Covid-19. Ele deixa a esposa, filhos e netos.

Gustavo Fruet, ex-prefeito de Curitiba, lamentou a morte nas redes sociais. “Uma das grandes referências e inspiração para minha trajetória na vida pública. Uma honra ter estado ao seu lado em momentos desafiadores, inclusive na eleição do Senado em 2010.”

Em dezembro de 2019, Dr. Euclides Scalco recebeu o título de Cidadão Honorário do Paraná. Na época, ele disse ficou muito emocionado com o reconhecimento.

“Eu cheguei no Paraná por Francisco Beltrão e me dediquei a fazer atendimentos na área hospitalar, que tanto o Estado precisava. Para mim, é empolgante este momento e poder honrar o Estado que me recebeu como filho. Na vida pública, consegui corresponder com aquilo que a população necessitava. Sou um homem feliz por tudo isso”, disse quando recebeu o título.

O prefeito de Francisco Beltrão, Cleber Fontana, decretou luto oficial. “Perdemos uma grande liderança que sempre contribuiu para o nosso município, para a nossa região e pelo Brasil”, disse o parlamentar. O corpo do ex-deputado será cremado hoje à tarde em Curitiba.

PERFIL DE EUCLIDES SCALCO

Nascido em 16 de setembro de 1932 em Vista Alegre, distrito da cidade de Nova Prata, no Rio Grande do Sul, Euclides Girolamo Scalco é formado em Farmácia e Bioquímica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Exerceu a profissão de farmacêutico e bioquímico e se casou com Teresinha Marcolin Scalco, com quem teve quatro filhos.

Em 1959 chegou a Francisco Beltrão. No município do sudoeste paranaense fixou residência e foi dono da farmácia São Vicente de Paula e da Policlínica São Vicente.

Foi vereador e prefeito de Francisco Beltrão, onde também participou de movimentos de trabalhadores rurais ligados à Igreja Católica. No início da década de 70, se pós-graduou em economia agrária pela Universidade de Louvain, na Bélgica, e em economia no Instituto Lebret, na França.

Foi um dos fundadores do Movimento Democrático Brasileiro (MDB) no Paraná, em 1966, quando o Brasil vivia um momento de repressão política sob o comando de militares.

Três vezes eleito deputado federal, participou assembleia nacional constituinte que deu origem à Carta Magna de 1988, a Constituição Cidadã. Antes, participou da gestão do ex-governador do José Richa exercendo o cargo de chefe da Casa Civil e também participou ativamente da campanha das Diretas Já.

Durante os anos de exercício do cargo na Câmara Federal, esteve ligado às comissões de Saúde, Previdência e Assistência Social. Na Constituinte, defendeu a proteção das empresas nacionais, o rompimento de relações diplomáticas do Brasil com países que desenvolvessem uma política de discriminação racial, medidas de proteção ao trabalhador, a nacionalização do subsolo, a proibição do comércio de sangue, o direito de sindicalização do servidor público, a anistia aos micro e pequenos empresários, a limitação do direito de propriedade privada, entre outras.

Em 1988, Scalco estava entre os principais articuladores da criação do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), que, em nas eleições de 1994 elegeu o sociólogo Fernando Henrique Cardoso presidente da República. Antes mesmo de iniciar a gestão, ele coordenou o grupo que estudou a organização do sistema de assistência social do novo governo, que resultou na criação do programa Comunidade Solidária.

Em 1995 assumiu a diretoria-geral brasileira da Itaipu Binacional, renegociou a dívida da hidrelétrica com a Eletrobrás e a viu bater o recorde mundial de produção de energia elétrica, em 1996. No segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso, assumiu o cargo de ministro-chefe da Casa Civil.

Com o término do segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso, Scalco retornou ao Paraná, onde continuou participando e influenciando a política local e, sem perder o contato com as causas da saúde, exerceu a presidência da Associação dos Amigos do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e a função de conselheiro do Hospital Erasto Gaertner.

NOTAS DE PESAR

O PSDB-PR (Partido da Social Democracia Brasileira) lamentou o falecimento ddo ex-deputado e fundador do partido. “Scalco foi uma das mais importantes e destacadas lideranças do PSDB e nos deixa um legado de competência e seriedade em todas as funções que exerceu ao longo de sua vitoriosa trajetória. Foi vereador e prefeito em Francisco Beltrão; deputado federal constituinte e ministro da Casa Civil do governo Fernando Henrique. Um dos maiores nomes da política paranaense e que, sem dúvidas, fará muita falta”, destacou Paulo Litro, atual presidente.

“O Paraná e o Brasil perdem uma verdadeira referência e um exemplo de dedicação e trabalho pelo desenvolvimento e aprimoramento das políticas públicas. Em nome de todo o diretório do PSDB Paraná, envio nossas orações e condolências para a Dona Terezinha, seus filhos, netos, familiares e amigos”, disse Litro.

 

Previous ArticleNext Article