inFINITO 2020: festival reúne nomes de peso e enfrenta tabu para debater o viver e o morrer

Angelo Sfair

movimento infinito, infinito, morrer, viver, festival, finitude, cuidados paliativos, tom almeida

Ainda encarado no Brasil como um tabu, o debate sobre o viver e o morrer ganha um espaço seguro e qualificado no festival inFINITO, que chega à terceira edição em 2020. Devido à pandemia do coronavírus, o evento marcado para os dias 3 e 4 de outubro será realizado inteiramente de forma online.

Maior evento da América Latina sobre o tema, o evento reunirá sete convidados internacionais, entre eles o escritor Andrew Solomon, autor do premiado O Demônio do meio-dia, o médico BJ Miller, referência mundial em cuidados paliativos, e a advogada Alua Arthur, doula da morte e fundadora da organização Going with Grace.

Outros 10 convidados nacionais também participam dos masterclasses e das rodas de debates, como a jornalista Tatiana Vasconcellos, o cartunista Mauricio de Sousa, e a médica paliativista Ana Claudia Quintana Arantes.

O 3º Festival inFINITO é organizado pelo movimento de mesmo nome, criado pelo comunicador Tom Almeida. Depois de passar por três perdas pessoais em um período de três anos, ele passou a estudar temas como terminalidade, finitude, cuidados paliativos, morte e luto.

“Eu perdi minha mãe. Um ano depois perdi meu primo. E no ano seguinte perdi meu pai. Foram três mortes em três anos, e essa experiência me transformou. Eu fui entendendo como era importante falar sobre finitude e morte”, contou Almeida, ao Paraná Portal.

Ao refletir sobre cada uma das perdas, ele hoje compreende que a família não teve um papel de protagonismo ao enfrentar o primeiro processo. “Todas as decisões foram dos médicos. Achava que estava incluso no pacote da dor: ‘é assim que morre, é assim que sofre’”, diz o criador do movimento inFINITO, que também atua como colunista no podcast Finitude.

Após perder a mãe, Tom Almeida lidou com a proximidade da morte de outro familiar próximo. E conversou abertamente sobre o viver e o morrer com o primo, diagnosticado com um câncer terminal. “A morte dele estava chegando e as pessoas ao redor não aceitavam aquilo. Como se não aceitar evitasse o que estava para acontecer. Foi ali que eu descobri o que são cuidados paliativos”, disse.

Com o pai, que já era idoso, o criador do movimento inFINITO contou que teve uma atitude diferente. As conversas foram francas, e a despedida foi marcada pelo afeto e pela gratidão.

“Obviamente cada um morre de uma forma, mas com o aprendizado acumulado a gente conseguiu mudar muita coisa. A forma como ele morreu foi muito diferente da minha mãe porque a gente ofereceu mais conforto físico e emocional. Ele não morreu numa UTI, isolado, entubado e sedado. Ele morreu no quarto, com a gente, ouvindo a nossa voz. A gente pode se despedir, dizer o quanto o amava, o agradecer”.

Foi a partir dessas experiências pessoais, estudos e pesquisas que Tom Almeida passou a entender melhor o tamanho do tabu que existe no Brasil para debater o viver e o morrer. Segundo ele, a ausência de educação para a morte e o desconhecimento sobre os direitos humanos contribuem para que o Brasil esteja entre os piores países do mundo para morrer.

“A gente ouve muito a frase: ‘não tem mais nada a se fazer’. Pode não ter mais nada a se fazer sobre a doença, sobre o tratamento, mas pela pessoa tem tudo a ser feito. É inadmissível que uma pessoa com qualquer tipo de doença terminal esteja com dor. O que precisa é conhecimento técnico para cuidar desse sofrimento”.

Com cerca de 200 milhões de habitantes, o Brasil tem, atualmente, cerca de 4 mil profissionais da saúde que atuam com cuidados paliativos. Apenas 177 de unidades que prestam serviços deste tipo são encontradas no território nacional, o que coloca o País pelo menos três décadas atrás de países desenvolvidos quando o assunto é refletir sobre o viver e o morrer.

Neste sentido, o movimento inFINITO também propõe conectar o país aos movimentos que debatem esse assunto pelo mundo.

3º FESTIVAL INFINITO

  • Masterclasses: ingressos esgotados.
  • Masterclasses e Rodas de debates: R$ 170,00 (com direito a certificado digital e acesso ao conteúdo por 3 meses)
  • Inscrições: https://festivalinfinito2020.eventbrite.com.br
  • Apoio: Instituto Olga Rabinovich – A boa partida
    *Parte da renda será destinada ao projeto Comunidades Compassivas, que atua nas comunidades do Rio de Janeiro
movimento infinito, infinito, morrer, viver, festival, finitude, cuidados paliativos, tom almeida
Divulgação

CONFERENCIONISTAS INTERNACIONAIS

ALUA ARTHUR

Alua Arthur é doula da morte, advogada, e fundadora da Going with Grace, uma organização de planejamento de fim de vida e treinamento para doulas da morte que existe para apoiar as pessoas enquanto elas respondem à pergunta: “O que devo fazer para estar em paz comigo mesmo e desta forma viver o agora e morrer graciosamente? ” De consultas privadas de fim de vida a cursos online, ela está incansavelmente comprometida em trazer a consciência para a morte e o morrer e acredita apaixonadamente que a morte pode inspirar a maneira como vivemos. Atualmente faz parte do Conselho de Diretores da National End-of-Life Doula Alliance (NEDA) e do End-of-Life Doula Council da National Hospice and Palliative Care Organization (NHPCO).

ANDREW SOLOMON

É escritor e professor de psicologia, política e artes; vencedor do Prêmio Nacional do Livro; e ativista em direitos LGBT, saúde mental e artes. Em 2000, lançou “O Demônio do meio-dia”, livro que se tornou uma referência sobre o tema depressão. O livro foi finalista do Prêmio Pulitzer e venceu o National Book Award de 2001, sendo considerado um dos cem livros mais importantes da última década pelo jornal The Times.

BJ MILLER

Referência mundial em Hospice e Cuidados Paliativos. Foi diretor-executivo do Zen Hospice Project. A carreira de BJ tem sido dedicada a levar os cuidados de saúde a uma abordagem centrada no ser humano e ele defende isso tanto a nível político como pessoal. Ele deu mais de 100 palestras nacionais e internacionais sobre os tópicos da morte e o morrer, cuidados paliativos e a intersecção da saúde com o design. Sua palestra no TED de 2015, “O que é mais importante no fim da vida”, foi vista mais de 11 milhões de vezes e seu trabalho também foi o assunto de várias entrevistas e podcasts, incluindo Oprah Winfrey e The Times.

DALLAS GRAHAM

Dallas Graham é editor e fundador do Red Fred Project e também participará do 3º festival inFINITO. Ele encontra crianças vivendo com doenças raras e potencialmente fatais e as transforma em autores publicados. Em seguida, ele compartilha seus livros de histórias com o mundo. Dallas acredita que esses livros contêm as melhores histórias já contadas.

MICHAEL HEBB

Michael Hebb é sócio da RoundGlass e fundador do coletivo End of Life e Death Over Dinner. Ele é o autor de Let’s Talk About Death (Over Dinner) e, antes do COVID, ele podia ser encontrado viajando pelo mundo falando no TEDMED, na Cúpula da Fundação Obama, no SXSW e no Fórum Econômico Mundial. Escreveu para várias publicações, incluindo USA Today, GQ, Food and Wine. Já recebeu Dalai Lama em um de seus jantares e já palestrou para a Obama Foundation.

TORRIE FIELDS

A experiência de Torrie Fields como uma jovem com câncer e sem plano de saúde a ensinou em primeira mão como as decisões políticas podem impactar profundamente a vida das pessoas. Ela se tornou uma ativista e agora trabalha para alinhar os sistemas sociais, políticos e médicos para apoiar o cuidado centrado na pessoa para indivíduos com doenças que limitam a vida ou em final de vida. A capacidade de Torrie de combinar dados, mensagens e paixão a torna uma força poderosa no movimento para ampliar e antecipar os cuidados paliativos a todos os que precisam.

YOKO SEN

Yoko K. Sen é uma alquimista do som e também participará do 3º festival inFINITO. Musicista profissional e fundadora da Sen Sound que tem como missão transformar o ambiente sonoro em hospitais. Como uma musicista de formação clássica e com grande sensibilidade aos sons, ao passar pela experiência de ser paciente se deu conta do quanto os ruídos nos hospitais eram perturbadores. Envolvida em projetos que repensam o design da experiência sonora no ambiente hospitalar. A iniciativa da Sen Sound, “My Last Sound – Meu Último Som” foi premiado pelo concurso END of Life da Open IDEO, envolvendo centenas de pessoas de todo o mundo.

Previous ArticleNext Article