Malvino Salvador é Boca de Ouro, personagem de Nelson Rodrigues, no Festival de Curitiba

Malvino Salvador está em Curitiba para interpretar o bicheiro Boca de Ouro, personagem icônico do submundo carioca, cria..

Fernando Garcel - 31 de março de 2018, 16:25

Foto: João Caldas
Foto: João Caldas

Malvino Salvador está em Curitiba para interpretar o bicheiro Boca de Ouro, personagem icônico do submundo carioca, criado por Nelson Rodrigues, com toques mitológicos na adaptação que o diretor Gabriel Villela apresenta no Festival de Teatro de Curitiba. Com duas sessões na mostra, a primeira apresentação acontece neste sábado (31), às 21 horas, no Teatro Guaíra e a segunda amanhã, às 19 horas.

O Paraná Portal conversou com o ator que contou um pouco da história do lendário bicheiro carioca, figura temida e megalomaníaca, que tem esse apelido porque trocou todos os dentes por uma dentadura de ouro.

Confira:

https://www.youtube.com/watch?v=bkRdnUR25e8

Os atores Mel Lisboa e Claudio Fontana fazem o casal Celeste e Leleco. Já Leonardo Ventura interpreta o fiel e apaixonado marido de Guigui, Agenor. Chico Carvalho é Caveirinha, o repórter rodrigueano, que carrega em si o olhar afiado e crítico do dramaturgo-jornalista, que durante anos trabalhou em redações e conheceu de perto os vícios e contradições da imprensa. Chico também interpreta a grã-fina Maria Luiza. Cacá Toledo e Guilherme Bueno completam o elenco. Jonatan Harold assume o piano desta gafieira carioca oferecendo a ambiência musical para Mariana Elisabetsky interpretar as canções imortalizadas por Dalva de Oliveira.

Como toda a ação proposta por Nelson Rodrigues parte da mente contraditória de Dona Guigui, as diferentes narrativas da personagem são exploradas pelo encenador de forma muito diversa. A cada versão de Guigui, a arena de Gabriel Villela circula, ressaltando o espaço arquetípico convergente, assim como o salão circular de uma gafieira, ou um ciclo de vida que se encerra.

A montagem recebeu sete indicações ao prêmio Aplauso Brasil: melhor ator (Malvino Salvador), melhor atriz (Lavínia Pannunzio), melhor ator coadjuvante (Chico Carvalho), melhor atriz coadjuvante (Mel Lisboa), melhor direção (Gabriel Villela), melhor cenografia (Gabriel Villela) e melhor espetáculo. Mel Lisboa também foi indicada aos Prêmios Shell de Melhor Atriz e Aplauso Brasil de Melhor Atriz Coadjuvante. O diretor Gabriel Villela também foi indicado ao Prêmio Shell SP e a peça foi escolhida a melhor do ano pelo jornal O Estado de São Paulo.