“Manual de autodefesa intelectual” critica as mistificações do senso comum

Fernando Garcel e Assessoria

Fotos: Camila Martins

O trabalho cênico de “Manual de autodefesa intelectual” aborda um conjunto de temas relacionado às mistificações e crendices contemporâneas, representadas no palco sob diferentes perspectivas e vocabulários: a numerologia, o horóscopo, o pensamento circular, a mídia empresarial, o surgimento da publicidade moderna, as religiões e as teorias da conspiração. A obra está na mostra do Festival de Teatro de Curitiba e a última apresentação acontece nesta quinta-feira (29), às 21 horas, no Sesc da Esquina.

Peça revive Anne Frank e os pesadelos da perseguição nazista
Mostra se preocupa com inclusão e traz artistas censurados para Curitiba

Ao sugerir que uma parte expressiva da população organiza suas vidas a partir de simplificações da realidade, o roteiro convida à reflexão nos âmbitos sociais e filosóficos, lançando mão de ideias e conhecimentos consagrados, mas muitas vezes esquecidos. Um exemplo é a referência direta ao pensamento de René Descartes (1596-1650) – considerado o pai do racionalismo -, que é mobilizado em contraposição a situações cotidianas, em que a irreflexão é notadamente perpetuada.

“A confusão frequente entre opinião e conhecimento; os erros oriundos do pensamento circular e das relações inexistentes de causa e efeito; a presença ostensiva da fé no cotidiano; a tendência a aceitar premissas falsas como verdadeiras; a ausência da verificação das fontes; a aceitação passiva de argumentos de autoridade, entre outros procedimentos baseados na intuição, na mídia hegemônica e nas experiências imediatas e pessoais criam um ambiente propício ao engano e ao erro”, resume o diretor do espetáculo, o catarinense Fernando Kinas.

As questões são postas não somente por meio das palavras, mas também em linguagens menos convencionais, como coreografias, vídeos, música ao vivo e até números de mágica. “Manual de autodefesa intelectual” utiliza recursos do teatro documentário, dando sequência às pesquisas recentes do grupo com a linguagem narrativa, assim como em “Fome.doc”, “Material Bond” e “Morro como um país”. Por este último trabalho a atriz Fernanda Azevedo, que faz parte do elenco de “Manual”, recebeu o Prêmio Shell de melhor atriz.

Previous ArticleNext Article