'Rio de Vozes' estreia com força de herdeiro de Eduardo Coutinho

"Rio de Vozes" reencontra a função mais clássica do cinema: a de mostrar; e faz isso com grande apuração estética

Folhapress - 20 de fevereiro de 2022, 16:01

*Inácio Araujo, da Folhapress. 

Em "Rio de Vozes", os autores desaparecem em favor do objeto que retratam. Só ele conta. O rio São Francisco, as paisagens que ele atravessa, as pessoas que vivem da pesca, as que plantam às margens. E não se trata de uma restrição. O objetivo é fazer sumir a personalidade, o eu, a autoria que tanto têm frequentado os documentários brasileiros nas últimas décadas.

O privilégio ao objeto nos coloca diante de fatos e pessoas desconhecidas por nós, que vivemos nos grandes centros urbanos como São Paulo, Rio de Janeiro e outras capitais. É outro modo de vida, que reconhecemos assim que vemos os homens preparando uma embarcação. Em seguida, surgem uma estrada de terra e duas mulheres num pequeno caminhão.

Uma delas comenta que aquele caminho, com cercas ao lado, em outros tempos era leito do rio, que era muito mais largo do que hoje. Ela se preocupa com as gerações futuras e questiona se esse modo de vida vai desaparecer. Há os peixes sendo recolhidos, a pesagem, as conversas, o exercício de empurrar um barco para a parte navegável do rio, processo que recebe ajuda das mulheres. Mas não é apenas o modo de vida que está ameaçado.

Os pescadores se queixam de peixes outrora comuns no rio e agora desaparecidos, talvez extintos. E aqueles outros peixes. Mais tarde, o documentário subirá o rio, partindo da Bahia, atravessando outros estados. Toparemos com estudantes dispostos a sair do lugar, outros cantando músicas que evocam Conselheiro, questionando se a memória de Canudos e sua destruição brutal não foi extirpada.

Mais adiante, há plantações. Pobres. Alguma queixa sobre distribuição de terras nos informa de que os autores têm alguma simpatia pelo Movimento Sem Terra, o MST. Ou talvez apenas registrem as frágeis queixas dos lavradores. A viagem prossegue. Há a gente que canta, a que se reúne etc. Há, sobretudo, a menina que passeia pelo campo em companhia do avô de 86 anos. Ela diz que não quer ficar na lavoura. Quer estudar e se tornar médica. Médica, esclarece, para cuidar dos que precisam, não dos que têm dinheiro.

Vivendo ali, aparentemente num quilombo, a jovem parece ter um bom conhecimento dos médicos, a quem vê como pessoas que olham não para o doente, mas para o dinheiro do doente. O diagnóstico é severo –mas será injusto?
Como se vê, "Rio de Vozes" é um documentário que deixa o crítico em geral insatisfeito, porque não há muita coisa inteligente para falar a respeito. Com efeito, a visita ao sertão feita por Andrea Santana e Jean-Pierre Duret não visa discutir, senão marginalmente, o que o cinema é ou deixa de ser. Tampouco mostra o euzinho dos realizadores.

"Rio de Vozes" reencontra a função mais clássica do cinema –a de mostrar. E faz isso com grande apuração estética, formada por enquadramentos que nos introduzem na paisagem de modo tão discreto quanto profundo. Para quem quiser ver, esse documentário traz algo de raro. Não apenas a modéstia de seus realizadores, mas sobretudo o reencontro com coisas, pessoas e animais. O filme trata de seguir o rio e as vozes que dali emergem em paralelo –cultura e natureza, a humanidade e seu meio.

Não há de ser por acaso que a montagem, aqui, coube a Jordana Berg, que trouxe ao conjunto uma estrutura sólida e um sentido de tempo admirável. "Rio de Vozes" está, em sua formulação clássica, muito mais próximo de Eduardo Coutinho do que o trabalho de tantos seguidores –ora imitadores– do grande mestre do documentário brasileiro contemporâneo.

RIO DE VOZES
Onde: Em cartaz nos cinemas
Classificação: 10 anos
Produção Brasil, 2022
Direção: Andrea Santana e Jean-Pierre Duret
Avaliação: Muito bom