Rosy de Sá Cardoso, 1ª mulher com registro de jornalista no Paraná, morre aos 95 anos

Nascida na Capital em 1926, Dona Rosy, como era conhecida, trabalhou seis décadas em redações de jornalismo do município

Redação - 03 de fevereiro de 2022, 11:43

Reprodução Youtube/oradiodoparana
Reprodução Youtube/oradiodoparana

Morreu, na madrugada desta quinta-feira (3), Rosy de Sá Cardoso, aos 95 anos, no Hospital Cruz Vermelha, em Curitiba. Ela foi a primeira mulher com registro de jornalista no Paraná.

Nascida na Capital em 1926, Dona Rosy, como era conhecida, trabalhou seis décadas em redações de jornalismo do município. Ela começou no colunismo social, mas construiu sua trajetória sobretudo na editoria de Turismo, especialidade que a fez viajar por mais de 90 países ao redor do mundo. 

O amor pela profissão e a predileção pela crônica paranaense ajudaram numa carreira longeva, que só se encerrou em 2017. Nas últimas quatro décadas, atuou no jornal Gazeta do Povo, onde deixa uma legião de colegas e ex-leitores. 

"Nossas condolências à família e aos amigos. Dona Rosy é uma referência do jornalismo no Paraná. Ela ajudou a construir e consolidar a profissão como um pilar da sociedade moderna", lametou João Evaristo Debiasi, secretário da Comunicação Social e da Cultura.

Rosy de Sá Cardoso morreu por falência múltipla dos órgãos em função da idade avançada. “Era filha de dona Xaguana Gomes de Sá e Jayme Machado Cardoso. Estreou cantando boleros na Rádio Guairacá”, destacou o prefeito de Curitiba, Rafael Greca.