Universidade de Buenos Aires cancela palestra de Moro após enxurrada de críticas

A faculdade de direito da Universidade de Buenos Aires (UBA) decidiu cancelar um evento virtual que teria como principal..

Sylvia Colombo - Folhapress - 28 de maio de 2020, 16:55

PR - PALESTRA/SERGIO MORO - POLITICA -  O juiz federal Sérgio Moro, indicado como Ministro da Justiça do Presidente Jair Bolsonaro em palestra de abertura da Conferência Smart Energy e GreenBuilding Brasil, que reúne a 5ª Smart Energy CIEI &#038 EXPO e  a 9º Greenbuilding Brasil Conferência Internacional &#038 Expo e o Fórum de Eficiência Energética da Ashrae. A palestra tem o tema “O Brasil que queremos”, no auditório da FIEP (Federação das Indústrias do Estado do Paraná)  em Curitiba (PR), nesta segunda-feira (05).Foto: Geraldo Bubniak/AGB
PR - PALESTRA/SERGIO MORO - POLITICA - O juiz federal Sérgio Moro, indicado como Ministro da Justiça do Presidente Jair Bolsonaro em palestra de abertura da Conferência Smart Energy e GreenBuilding Brasil, que reúne a 5ª Smart Energy CIEI &#038 EXPO e a 9º Greenbuilding Brasil Conferência Internacional &#038 Expo e o Fórum de Eficiência Energética da Ashrae. A palestra tem o tema “O Brasil que queremos”, no auditório da FIEP (Federação das Indústrias do Estado do Paraná) em Curitiba (PR), nesta segunda-feira (05).Foto: Geraldo Bubniak/AGB

A faculdade de direito da Universidade de Buenos Aires (UBA) decidiu cancelar um evento virtual que teria como principal orador o ex-ministro da Justiça Sergio Moro, apenas horas depois de divulgá-lo em sua página oficial e nas redes sociais.

No flyer, a palestra é descrita como um debate sobre "o combate à corrupção, a democracia e o Estado de direito" e Moro é apresentado como "juiz da República Federativa do Brasil", omitindo sua passagem pelo governo de Jair Bolsonaro e o fato de hoje ele ser ex-juiz. O evento ocorreria no próximo dia 10 de junho.

O convite a Moro havia sido feito pelo Centro de Estudos sobre Transparência e Luta, vinculado ao ex-presidente Mauricio Macri e a seu partido, o PRO (proposta republicana).

O assunto viralizou rápido nas redes, causando muita reação negativa por parte de lideranças políticas de esquerda ou ligadas ao kirchnerismo -corrente do peronismo hoje no poder, com o presidente Alberto Fernández e a vice, Cristina Kirchner.

Deputados e ministros se manifestaram. Um deles foi a titular da pasta da Mulher, Gênero e Diversidade, Elizabeth Gómez Alcorta, que postou: "Compartilho o repúdio a essa atividade, em uma universidade pública em que se deve formar as pessoas para a defesa do Estado de Direito e das garantias constitucionais".

A embaixadora da Argentina na Rússia, Alícia Castro, afirmou que Moro "é o emblema da manipulação da Justiça com fins partidários e o responsável pelo 'lawfare' que foi provocado, sem provas, contra o ex-presidente Lula da Silva".

Menções à prisão de Lula predominaram nas notas de repúdio e nas postagens, tanto de lideranças políticas como de outros internautas.

A deputada governista Julia Perié, disse: "A faculdade de direito da UBA está propondo essa atividade com aquele que mandou prender Lula por suposições, não permitindo que fosse candidato, e logo depois assumiu como ministro de Justiça de Bolsonaro. Vem para falar de corrupção. Uma vergonha!".

Depois da chuva de críticas, a UBA anunciou que a atividade estava cancelada.