Ano letivo deve começar em meio a impasse sobre distribuição de aulas

Fabio Buchmann, CBN Curitiba Os professores da rede estadual de ensino vão decidir o futuro da categoria em assem..

Narley Resende - 10 de fevereiro de 2017, 11:40

Fabio Buchmann, CBN Curitiba 

Os professores da rede estadual de ensino vão decidir o futuro da categoria em assembleia a marcada para a cidade de Maringá neste sábado (11).

Além de reajuste salarial, eles querem a suspensão das mudanças propostas pelo governo relacionadas a direitos trabalhistas e a distribuição da hora – atividade, que são aquelas atividades que acontecem fora da sala de aula.

A hora-atividade envolve uma série de ações como o planejamento das aulas, além da avaliação dos alunos com a elaboração e correção de provas.

O governo quer diminuir a hora-atividade, e os professores alegam que isso vai provocar sobrecarga de trabalho, já que a correção de provas, por exemplo, vai ter que ser feita às pressas.

Nesta quarta-feira (8) a Justiça decidiu suspender as mudanças previstas pelo Governo do Estado. Em nota a Secretaria de Estado da Educação, informou que recebeu a notificação sobre a liminar, expedida pela 4ª Vara da Fazenda Pública.

O texto informa ainda que em consequência da liminar, está suspensa temporariamente a continuidade do processo de distribuição de aulas na rede pública estadual.

Ainda segundo a nota, a Procuradoria Geral do Estado e o departamento jurídico da SEED estão fazendo uma análise detalhada da decisão para dar os devidos encaminhamentos. Mesmo com o impasse, a assessoria de imprensa do Palácio Iguaçu garante que o início das aulas está mantido para a próxima quarta-feira, dia 15.

Já a APP – Sindicato, no site oficial da entidade, publicou uma nota afirmando que o posicionamento parcial do governo do Estado, que busca claramente punir os(as) educadores(as) e o sindicato, só tem trazido mais danos à comunidade escolar.