Centrais sindicais e movimentos sociais convocam greve geral para dia 29

Trabalhadores filiados às principais centrais sindicais, além de membros do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST),..

Narley Resende - 22 de setembro de 2016, 09:41

Trabalhadores filiados às principais centrais sindicais, além de membros do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), se manifestaram na manhã desta quinta-feira (22), em Curitiba e região metropolitana, para convocar uma greve geral prevista para o dia 29 de setembro.

O ato em todo o país foi convocado pela CUT, CTB, UGT, Força Sindical, NCST, CSP-Conlutas e Intersindical e entidades que formam as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo. O Dia Nacional de Paralisação foi realizado para convocar uma greve geral por "nenhum direito a menos".

Os manifestantes fazem referência principalmente às reformas previdenciária e trabalhista previstas pelo governo de Michel Temer.  Os movimentos também reclamam de "desmonte do SUS, ataques à educação pública" e outros cortes em orçamentos sociais.

Na região de Curitiba, foram feitas assembleias preparativas em dez empresas: Volvo, Bosch, Renault, Brafer, CNH, Volkswagen, AAM do Brasil, Aker Solutions, Furukawa e WHB. As assembleias foram estendidas até às 9h desta quinta.

MTST

No Contorno Sul, região da Cidade Industrial de Curitiba, cerca de 50 integrantes do MTST bloquearam a rodovia por aproximadamente duas horas, com pneus queimados. A pista foi liberada por volta das 9 horas. Segundo a Polícia Rodoviária Federal, o congestionamento na região chegou a 7 quilômetros em ambos os sentidos.

Educação

Nesta quinta-feira, escolas da rede estadual de ensino do Paraná terão aulas de 30 minutos. O objetivo é que, após as aulas, os educadores façam debates sobre o impacto das decisões e projetos de lei  nacionais e estaduais no âmbito escolar.

Manifestação unificada

Uma concentração unificada entre os movimentos que compõe o protesto está marcada para às 18h desta quinta-feira, na Praça Santos Andrade, no Centro de Curitiba.

Bancários, em greve há 18 dias, também devem participar da manifestação.