Confeiteira recebe carta com ofensas racistas. “Você nunca vai ganhar como um branco”

Narley Resende


A filha de uma confeiteira, moradora de Araucária, na Região Metropolitana de Curitiba, denunciou em um texto na internet, nessa sexta-feira (17), um caso de injúria racial contra a mãe dela, Janete Martins, conhecida como “Fada dos Doces”. Pelo Facebook, Bruna Martins revelou na postagem que sua mãe recebeu um bilhete, impresso em computador, repleto de ofensas preconceituosas.

Bruna afirmou que lamenta pela mulher que enviou as ofensas, mais do que pelo conteúdo da carta. “O que ofende são os olhares, os pensamentos, a forma como nos escravizam no pensamento e no coração”, escreveu.

“Pensei muito, em diversas situações, até chegar à conclusão de que não devo e não quero ficar calada! Hoje recebemos uma carta em casa, uma carta de envolve preto, uma carta que trazia junto de si palavras pesadas e que machucam. Mas por incrível que pareça a pessoa em questão não nos atingiu da forma que esperava, porque ser negra não me ofende!”, diz a jovem.

RacismoNo dia 8 de fevereiro, Janete contou que uma mulher a procurou para fazer uma encomenda. Segundo relato, a mulher disse que uma pessoa havia indicado a confeiteira e, então, perguntou quem seria a proprietária da confeitaria. Janete respondeu que era a proprietária.

A suposta cliente teria respondido que “não sabia que ela era de cor”. Janete então rebateu, dizendo que não era “de cor” e, sim, “negra mesmo”. A cliente entrou no carro e foi embora.

Na semana seguinte, nessa sexta-feira (17), Janete recebeu em sua caixa de correspondência uma carta que chocou familiares e amigos. Não há confirmação de que teria sido a mesma pessoa que escreveu a carta, mas, pelo teor preconceituoso, a família acredita que só pode ser a mesma pessoa. Leia o que diz a carta:

“Passei aqui na sua casa só para deixar um recadinho, “fada dos doces” como tem gente sínico, você sabe que a maioria das pessoas branca, não gostam de gente de cor como você, pena que poucas tem coragem que tenho, a maioria dis não ser racista, a verdade é que nem um branco da o mesmo valor a uma pessoa de cor. Você nunca vai ganhar como um branco, nunca terá o mesmo valor de um branco, nunca será recebida igual uma de nós branca, tenho um conselho para você. Aceita que é melhor você nunca será igual nos branco, carrega no sangue o DNA de um escravo e sempre será tratado como tal….”

Após a denúncia da filha, Janete relatou também pelo Facebook que está abalada, porém tem recebido apoio. “Estou muito triste com o que aconteceu comigo, mais uma vez fui vítima de racismo, hoje me deparei com um bilhete na minha caixa do correio”. Na internet, centenas de pessoas se solidarizaram, inclusive, relatando a excelência dos produtos feitos pela confeiteira.

Orientação 

A promotora Mariana Bazzo, coordenadora do Núcleo de Promoção de Igualdade Étnico-Racial do Ministério Público do Paraná, afirma que as vítimas de racismo e injúria podem procurar órgãos especializados para registrar denúncias e pedir providências legais.

“Qualquer vítima de racismo deve procurar a delegacia mais próxima de sua residência onde será instaurado inquérito policial. Atenção: crimes raciais não geram instauração de termo circunstanciado ou são processáveis no juizado especial criminal. Deve ser exigido o boletim de ocorrência. O Ministério Público possui setor especializado na temática (Núcleo de Promoção de Igualdade Étnico-Racial do Ministério Público do Paraná) que também recebe denúncias de todo o Estado pelo telefone 3250-4894 e pelo mail“.

Mariana Bazzo orienta ainda que há em Curitiba um setor especializado para atender vítimas de crimes de ódio. “Em Curitiba há setor especializado da Polícia Civil para recebimento de denúncias de crimes de ódio localizado na DHPP”. A Delegacia fica na Avenida Sete de Setembro, 2077, no Centro de Curitiba.

Leia o depoimento de Bruna Martins:

“Pensei muito, em diversas situações, até chegar à conclusão de que não devo e não quero ficar calada!

Hoje recebemos uma carta em casa, uma carta de envolve preto, uma carta que trazia junto de si palavras pesadas e que machucam.
Mas por incrível que pareça a pessoa em questão não nos atingiu da forma que esperava, porque ser negra não me ofende!

Doeu porque eu parei pra pensar no tamanho da ignorância que ainda existe, pensei em quão ruim o mundo ainda é, em quantas vezes sofremos preconceito disfarçados de boa intenção, ao acordar enfrentamos o racismo cruel no trabalho, na rua e na escola. Enfrentamos o racismo do olhar, o verbal, imaginário e disfarçado. Enfrentamos o racismo em uma cidade negra que carrega uma cultura do preconceito, do cabelo liso, da sexualidade da negra, roupas “da moda” e uma cidade que diz que “seu lugar não é aqui, sua neguinha”.

Queremos fechar os olhos e forçar acreditar que não existe mais coisas assim, realmente seria maravilhoso viver em um mundo no qual não existe racismo, mas nao é a realidade, e precisarmos falar sobre isso!!

Deixa eu te falar uma coisa, você não melhora a situação quando eu digo o que sofri e voce me diz “mas você nem é tão negro assim” ou “mas nossa tem tanta gente mais escura”, eu sei, você só que ajudar, mas estou te ajudando a entender que ser chamado de negro ou ser “tão escura assim” não me incomoda, não me ofende. O que ofende são os olhares, os pensamentos, a forma como nos escravizam no pensamento e no coração.

Sim, eu me reconheço como negra, nao só pelo cabelo armado, o nariz achatado ou a boca recheada, mas pela minha história, minhas raízes!

Sou a geração futura de uma raça guerreira, que construiu culturas, arte, ritmou músicas.
Como você espera que eu não me orgulhe disso??

Sim, somos todos iguais, mas só quem é negro sente as dores das chibatadas nas costas.

Quanto a você, Senhora, a qual deixou esta carta na minha caixa de correio, destinada a minha mãe, Janete Martins que é sim a linda

Fada dos Doces, só lamento, lamento porque ainda não conheceu o tão maravilhoso amor de Jesus Cristo, amor que cura, salva e restaura. Porque infelizmente nunca sentiu o quão revigorante é o abraço de uma criança negra, nunca se sentou em uma roda de pessoas negras e ouviu de suas histórias, a alegria deste povo é encantadora, aposto que você mudaria de ideia, devia experimentar!

Peço, por gentileza, que não assine mais suas cartas como “nós brancos” pois tenho inúmeros amigos brancos os quais sua índole não chega nem perto da deles, e com com toda certeza não querem estar vinculados a você, e sua falta de humanidade. Também deixo aqui, um convite, já que a senhorita é a dona da parada toda, se apresente a nós, converse comigo cara a cara, e pare de se esconder por trás do anonimato, afinal, você é melhor que todos, logo não tem nada a perder não é mesmo?!

Que meus herdeiros possam, assim como eu, orgulhar-se de também pertencer a raça negra.”

16825881_1182454921868547_1325042639665350978_o

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="415315" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]