Estudantes criam aplicativo contra assédio sexual

Andreza Rossini


Repórter Brunno Brugnollo do Metro Curitiba

Duas alunas do 9º ano do ensino fundamental do Colégio Positivo criaram um aplicativo de Smartphone para auxiliar mulheres em casos de assédio sexual dentro de ônibus ou outros locais públicos.

Os episódios no transporte coletivo de Curitiba são cada mais frequentes – ou pelo menos estão sendo mais denunciados. Nascido de um projeto escolar, o SOS People, também batizado como “Ser Omisso não Salva as pessoas” por Eduarda Rossi, 14 anos, e Lara Prado, de 13, funciona como uma sirene e um rastreador.

Com auxílio de um botão – que pode ficar dentro do bolso ou na alça do sutiã –, o celular pode emitir um alerta sonoro e ao mesmo tempo avisar parentes e amigos cadastrados com a localização da vítima em tempo real. “Com um toque acontecem as duas coisas e com dois apenas a mensagem silenciosa, para casos que a mulher esteja sozinha ou longe de outras pessoas”, explica Eduarda.

“Para enviar não precisa de internet, mas a pessoa que recebe precisa ter conexão”, diz a estudante, que contou com um vizinho profissional de TI e desenvolvedor de apps para materializar a ideia nascida de um projeto escolar.

Qualquer pessoa que presenciar um caso de assédio também pode acionar o app, lembra Lara. O objetivo, quando possível, é evitar que o abuso em si se concretize.

Processo

O assédio sexual foi o tema escolhido por Eduarda e Lara com auxílio da professora Claudia Morgenstern, orientadora das adolescentes para participar da “Mostra de Soluções para uma Vida Melhor” do Colégio Positivo, de trabalhos com cunho científico e social feito por estudantes do 6º ano até o fim do ensino médio.

“Ela nos sugeriu e topamos, por ser polêmico e atual”, conta Eduarda. Depois de extensa pesquisa e entrevistas, incluindo uma com uma das delegadas da Mulher, da Polícia Civil, foi que nasceu a ideia do app – bem recebido pelas usuárias e testado com sucesso nos coletivos. “Falamos com dezenas de passageiras: a maioria foi assediada e todas disseram que usariam”, relata Lara.

Desenvolvimento

Segundo colocado geral entre 496 trabalhos da Mostra, o SOS People terá o apoio da Positivo Informática para desenvolver e aperfeiçoar o app, segundo Morgenstern. Mesmo não tendo conseguido uma “vaga direta” – apenas para o primeiro lugar –, as adolescentes vão se inscrever para participar da Febrace (Feira Brasileira de Ciências e Engenharia), que acontece na USP (Universidade de São Paulo). “Elas também já receberam convites para participar de feiras no Rio Grande do Sul e Minas Gerais”, diz a professora.

De acordo com Lara, a intenção é colocar o app à disposição para download gratuito e cobrar uma taxa de aluguel do botão.

Ocorrências

Atendimentos da Guarda Municipal de janeiro até 20 de outubro, tanto por assédio sexual quanto por atos obscenos e libidinosos:

• Nos ônibus

2017: 56

2016: 52

• Prisões em flagrante no transporte coletivo

2017: 20

2016: 14

• Ocorrências em praças, parques e bosques

2017: 23 (com 2 presos)

2016: 16

A GM (153) contabiliza casos em terminais e estações-tubo, onde os motoristas devem esperar os guardas.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="461934" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]