Brasil chega a 25 mortos e 1.546 casos confirmados de coronavírus

Redação

coronavírus mortes casos brasil ministério da saúde

Todos os estados do Brasil tem casos confirmados do novo coronavírus, apontou o mais recente boletim do Ministério da Saúde. O levantamento, divulgado na tarde deste domingo (22), mostra que existem hoje 1.546 pacientes e 25 mortes causadas pela doença.

Entretanto, apenas São Paulo, com 22, e Rio de Janeiro, com três, registram óbitos até agora.

Além disso, o último estado a contabilizar o primeiro caso do coronavírus foi Roraima, já que o Maranhão confirmou seu primeiro paciente ontem (21).

Contudo, mesmo que o boletim oficial do Ministério da Saúde seja o usado pelo governo federal, os números podem não refletir na realidade. Isso se deve a dois motivos: primeiro é a escassez de testes, o que dificulta a constatação do vírus. Já a segunda é que o Covid-19 pode ser assintomático, ou seja, pessoas mais jovens podem apresentar sintomas, o que também dificulta a contagem.

Tabela detalhada sobre o coronavírus no Brasil. (Divulgação/Ministério da Saúde)

De acordo com os dados, o Sudeste concentra 59,9% dos casos confirmados. São 631 em São Paulo, 186 no Rio de Janeiro, 83 em Minas Gerais e 26 no Espírito Santo.

A Região Sul aparece na sequência. O Rio Grande do Sul tem 72 casos confirmados, diante 57 em Santa Catarina e 50 no Paraná. Segundo a Secretaria Municipal da Saúde, Curitiba soma 31 casos.

VAMOS SUBIR A MONTANHA DO CORONAVÍRUS, DIZ MINISTRO

Na entrevista coletiva, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, segue apelando para que a população tenha mais cuidado com as pessoas do grupo de risco ao coronavírus – idosos e pessoas que já tenham doenças cardiovasculares e respiratórias.

Além disso, ele ressaltou que o Brasil está no início da doença. “Ainda vamos escalar a montanha”, afirma ele.

Por fim, Mandetta ainda revelou sobre as conversas com governadores e políticos para o fortalecimento do SUS (Sistema Único de Saúde) no combate ao coronavírus.

“Todos os períodos terão as suas características. O que ocorre no Rio de Janeiro, é diferente no Espírito Santo. Cada caso é um caso. O que estamos aqui é para oferecer amparo técnico aos prefeitos e governadores. Ele mesmo pode estar banalizando uns instrumento superimportante, que é a hora da população recolher. Vamos precisar fazer isso de forma muito sincronizada e correta”, finalizou o ministro.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="689944" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]