Desenvolvido no PR, robô com inteligência artificial chega ao mercado em 2018

Fernando Garcel


Redação com Rosângela Gris | Metro Jornal Maringá

“Olá, eu sou o Tinbot”, apresenta-se o robôzinho desenvolvido pela empresa maringaense DB1 Global Software, o primeiro com inteligência artificial. “Estou aqui para dar recados, ajudar o time e descontrair o ambiente. Mas também sou dedo-duro, se alguém fizer besteira eu aponto o dedo na cara”, avisa, rindo, a simpática versão do invento integrada à equipe de marketing da empresa.

“Playground tecnológico” tem drones, robôs e realidade virtual em Curitiba

Já o que acompanha o trabalho da equipe responsável por licitações é mais sério. “Esse é o bacana do Tinbot. Ele é configurável e pode assumir diferentes personalidades de acordo com as necessidades e perfis de cada empresa ou departamento”, explica o colaborador Marco Diniz Garcia Gomes, ao comentar a versatilidade da sua criação.

O robô começou a ganhar vida durante uma maratona de tecnologia de informação em junho de 2016. Na época, Gomes trabalhava como programador há 3 anos na DB1 e até então não tinha contato com robótica.

CapturarForam a curiosidade e o desejo de transformar seu sonho de criança em realidade – na infância Gomes já havia tentado fazer um robô – que o motivaram a desvendar a nova área e criar o primeiro protótipo do Tinbot. “Fiz a primeira versão de palitinho de sorvete. Era para estudar mesmo, mas tinha a intenção de fazer algo que fosse útil, que pudesse ajudar a equipe de programação da empresa”, conta. A versão atual é feita em impressora 3D. “Ele é inteiro de plástico e o acabamento com brilho é pintura automotiva”, diz Gomes.

Desenvolvido nas horas vagas, como hobby, o primeiro Tinbot levou seis meses para ficar pronto. Integrado à equipe, o robô não demorou a chamar a atenção. “Ele ficava sobre a mesa e era comum as pessoas pedirem para tirar foto e conversar com ele”, conta. Esse interesse levou a área de Inovação da DB1 a propor uma parceria para acelerar a ideia e tornar a tecnologia acessível ao mercado. O resultado é uma plataforma que integra Software (inteligência) e Hardware (mecânica) e que torna possível a qualquer pessoa ter e programar o seu robô assistente com interatividade e personalidade humanizada. De pequeno porte, o robô conta com fala natural em português, reconhecimento de voz, gestos e expressões.

rosie_jetsonA previsão é que o Tinbot esteja disponível em larga escala, ao custo de R$ 10 mil, a partir do primeiro semestre de 2018. Hoje o Tinbot ainda é um protótipo. Ainda assim, recentemente, a UniCesumar adquiriu as duas primeiras unidades comerciais do Tinbot, que terão função de recepcionistas, sendo uma unidade para a universidade e a outra para o Colégio Objetivo.
Uma outra unidade também foi adquirida pelo Sicoob para a mesma função. “O primeiro passo de mercado são as empresas, mas já vislumbramos ele convivendo com famílias no futuro”, revela Gomes, confidenciando inspiração na Rosie [ao lado], empregada robô do desenho futurista Os Jetsons.

Previous ArticleNext Article