Enem 2020 está garantido, diz ministro da Educação

Redação e Agência Brasil

enem 2020 weintraub ministro educação

O Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2020 está mantido para novembro. A informação é do ministro da Educação, Abraham Weintraub, dada nesta sexta-feira (17). Hoje, o MEC (Ministério da Educação) informou que vai recorrer à Justiça Federal sobre o adiamento das provas determinado pela Justiça de São Paulo.

As provas do Enem 2020 estão previstas para os dias 1 e 8 de novembro. Com expectativa que a pandemia do coronavírus esteja controlada, o ministro não se mostrou preocupado.

“Vai ter Enem. Essa quarentena vai acabar em breve e a crise já vai ter passado”, declarou Weintraub.

O Enem terá em 2020, pela primeira vez, a aplicação das provas digitais. O experimento será feito por 100 mil voluntários nos dias 22 e 29 de novembro.

Contudo, se algum problema existir em relação às provas digitais, os candidatos poderão refazer a prova em versão impressa.

Além disso, Weintraub também informou que o Ministério da Educação concedeu cerca de 1 milhão de isenções da taxa de inscrição.

FIES

O ministro também garantiu que o governo vai suspender temporariamente o pagamento do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) em decorrência da crise econômica causada pelo novo coronavírus. A regulamentação do adiamento está em fase final de tramitação no ministério e será, inicialmente, por 60 dias, podendo ser prorrogada por mais 60.

“Já está encaminhado o pedido, tramitando no Ministério da Economia e no MEC. Serão 60 dias e, se precisar mais 30 e, depois, mais 30”, detalhou.

Ano letivo

Ainda durante a live, Weintraub disse que não há comprometimento do ano letivo por causa da suspensão das aulas que ocorre em todo o país. No início do mês, o presidente Jair Bolsonaro editou medida provisória (MP) para flexibilizar o número mínimo de 200 dias letivos previstos em lei.

“O ano letivo não está comprometido. A gente flexibilizou a questão dos 200 dias. Com a flexibilização dos 200 dias, a única coisa que a gente pede é que as escolas deem um currículo de 800 horas/aulas, e isso pode ser feito de uma forma mais flexível”, disse.

Previous ArticleNext Article