Golpe do PIX: falso gerente pede transferências para testar conta

Uma das vítimas no estado perdeu uma quantia de R$ 20 mil. Golpistas usam diferentes meios para conseguir informações confidenciais.

Redação - 03 de maio de 2022, 14:10

(Foto: Geraldo Bubniak/AEN)
(Foto: Geraldo Bubniak/AEN)

Um novo golpe do PIX é praticado no Paraná. De acordo com o Procon-PR, os golpistas atuam como gerentes de bancos, na verdade falsos, e pedem transferências como um teste para a conta bancária.

Uma das vítimas no estado perdeu uma quantia de R$ 20 mil. A coordenadora do Procon no Paraná, Claudia Silvano, explica o caso: “Ela recebeu um telefonema de uma pessoa que afirmava ser o gerente do banco e que havia um problema no seu PIX. Ele pediu que fizesse duas transferências. Essa pessoa fez o que lhe foi solicitado e perdeu o dinheiro, pois se tratava de um golpe. E essa pessoa que se fez passar pelo gerente do banco sabia até o nome do gerente oficial da conta da cliente”.

Ela diz, ainda, que os golpistas usam diferentes meios para conseguir informações confidenciais. Por achar que está falando com alguém confiável, a vítima passa os próprios dados, como endereço e o número do CPF.

“É preciso ter em mente que banco não entra em contato fazendo esse tipo de abordagem. Se entrar em contato, o cidadão deve ter em mente que deve conhecer bem essa pessoa e já ter um relacionamento anterior. Reaver esse dinheiro é praticamente impossível”, disse Claudia.

Rogério Carboni, secretário estadual da Justiça, Família e Trabalho ressalta que a prevenção é o melhor caminho para não cair em golpes. "No caso de perceber algum contato telefônico suspeito, denuncie às forças de segurança e ao Procon-PR. As denúncias nos ajudam e tornar público esses casos, evitando que os criminosos façam novas vitimas”, disse.

GOLPES COM PIX ESTÃO CADA VEZ MAIS COMUNS

Os golpes praticados através das transferências bancárias instantâneas via PIX estão cada vez mais comuns. Além do exemplo citado acima, há também uma fraude que cria páginas falsas para colher dados confidenciais dos usuários.

A principal orientação para prevenção é verificar se os meios são oficiais e não fornecer senhas fora do site do banco ou do aplicativo.