‘Golpe do motoboy’ ganha versão PIX, mas o procedimento é o mesmo, dizem autoridades

David Musso - BandNews FM Curitiba

‘Golpe do motoboy’ ganha versão PIX, mas o procedimento é o mesmo, dizem autoridades

A criatividade dos estelionatários tem dado uma nova roupagem a um golpe que já é conhecido das autoridades: o chamado ‘golpe do motoboy’. A informação é da BandNews Curitiba.

A mecânica é sofisticada: uma pessoa liga para o telefone da vítima, se identifica como funcionário do banco e pergunta se ela está realizando uma compra ou uma transferência, geralmente de valor elevado.

Como a vítima não reconhece a transação, o falso atendente recomenda que a pessoa ligue para a central do cartão, em um número que é repassado pelo próprio golpista. O delegado da Polícia Civil do Paraná, Emanoel David, diz que os bandidos preferem ligar para as vítimas no telefone fixo.

Como o golpista que liga primeiro para a vítima simula encerrar o contato, mas não desliga o telefone, a vítima permanece conectada com o bandido, no momento em que ela tenta ligar para o banco, no número que é indicado pelos golpistas.

“Acreditando estar falando com alguém do 0800, a vítima acaba acatando o golpista, fornecendo dados pessoas e número do cartão. Para finalizar, o criminoso pede para que a pessoa corte o cartão ao meio e informa que um motoboy irá passar e pegar, para segurança da transação”, detalhou David.

Nessa central de atendimento simulada, os estelionatários colocam até as gravações do atendente eletrônico idênticas ao canal de atendimento verdadeiro do banco. Quando consegue falar com uma pessoa, na verdade a vítima segue conversando com um estelionatário, de voz diferente.

Após afirmar ter bloqueado o cartão, o atendente envia um motoboy à residência da vítima, para recolher o cartão bloqueado – uma comodidade, diz o golpista, para que o correntista não precise ir até a uma agência.

Com a popularização da transferência via PIX, os estelionatários têm usado essa modalidade de transferência bancária, nas tentativas de golpe. Se antes, o estelionatário ligava para a vítima, perguntando se ela estava realizando uma compra ou um saque no caixa eletrônico, agora ele pergunta se a pessoa está tentando realizar uma transferência via PIX.

A mudança dá nova roupagem ao procedimento, mas o golpe é o mesmo. A coordenadora do Procon-PR, Cláudia Silvano, alerta que não é uma prática comum dos bancos ligar para os clientes pedindo a autorização para liberar essas transações.

Na dúvida, a orientação é que a pessoa procure pessoalmente a agência bancária, ou que faça uma chamada para o número oficial do banco, de um telefone diferente do qual recebeu a primeira chamada.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="793556" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]