Intenção de compra para o Dia das Crianças cai na comparação com 2014

O gasto médio do consumidor paranaense no Dia das Crianças deve ser de R$ 75 por presente neste ano. Uma pesquisa de int..

Mariana Ohde - 30 de setembro de 2016, 07:48

O gasto médio do consumidor paranaense no Dia das Crianças deve ser de R$ 75 por presente neste ano. Uma pesquisa de intenção de compras realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio) indica, que nem todo mundo vai comprar presentes para os pequenos em 2016: apenas 62% dos entrevistados têm a intenção de presentear uma criança no dia 12 de outubro. O restante (38%) não pretende comprar presentes por falta de dinheiro ou por não ter crianças na família.

A intenção de consumo caiu em relação à última pesquisa realizada pela Federação, em 2014, quando 82% dos entrevistados pretendiam comprar presentes no Dia das Crianças. No ano anterior, essa intenção existia para um número menor de entrevistados – apenas 65%.

Neste ano, a maioria das pessoas que pretende presentear crianças planeja gastar entre R$ 51 e R$ 150 (61%); 31% dos entrevistados disseram que devem gastar R$ 50 ou menos; 6% planejam desembolsar entre R$ 151 e R$ 200, e 2% afirmaram que o presente pode custar mais de R$ 200.

Dia das Crianças

O valor do presente para as crianças é aproximadamente 30% menor do que o de outras datas comemorativas como o Dia das Mães e o Dia dos Namorados.

Os brinquedos ainda são a preferência de 55% dos entrevistados, seguidos por sapatos e roupas (32%). Eletrônicos, como tablets, celulares e videogames correspondem a 6% das intenções de presente. Aqueles que disseram que vão presentear a criança com dinheiro são 2%. Os indecisos e aqueles que devem comprar outros tipos de presente somam 5%.

Um dos itens da pesquisa realizada pela Fecomércio diz respeito a quem vai escolher o presente. A maioria dos entrevistados (66%), todos adultos, disse que escolheria o presente. Outros 28% disseram que deixariam a criança escolher. O restante, 6%, não optou por nenhuma das alternativas. A Fecomércio ouviu 320 consumidores entre os dias 19 e 23 de setembro.