Justiça transforma em preventiva prisão do assassino da juíza

A Justiça converteu em preventiva a prisão em flagrante do engenheiro Paulo José Arronenzi, de 52 anos, acusado do assas..

Douglas Corrêa - Repórter da Agência Brasil - 26 de dezembro de 2020, 08:11

Cadeia Pública José Frederico Marques. Crédito: Defensoria Pública do Rio
Cadeia Pública José Frederico Marques. Crédito: Defensoria Pública do Rio

A Justiça converteu em preventiva a prisão em flagrante do engenheiro Paulo José Arronenzi, de 52 anos, acusado do assassinato da ex-mulher, a juíza Viviane Arronenzi, na quinta-feira à tarde (24), na presença das três filhas do casal. A audiência de custódia terminou às 15h07 desta sexta-feira (25). A decisão é da juíza Monique Brandão.

Paulo Arronenzi já está na Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, zona norte do Rio, entrada dos presos no sistema penitenciário. Depois de uma triagem, a Justiça deve encaminhar o réu a um presídio do Estado, onde ficará à disposição da Justiça, aguardando julgamento.

 

Defensoria lamenta morte da juíza

 

Em nota, a Defensoria Pública do Rio de Janeiro também manifestou pesar pela morte da juíza Viviane Vieira do Amaral Arronenzi. "Infelizmente, é mais um caso de violência contra a mulher, uma chaga social que atinge todas as esferas da nossa sociedade, sem escolher origem, classe ou posição social. Nós, da Defensoria, nos unimos à dor dos entes queridos que agora choram esta perda irreparável. Lamentamos profundamente que notícias de feminicídio sejam pauta frequente no Brasil, mesmo em dias que deveriam ser apenas de celebração à vida."

A nota acrescenta que a Defensoria Pública está à disposição de todas as mulheres que se sentem ameaçadas.

"Ao Judiciário fluminense, fica o registro de toda nossa solidariedade pela perda da magistrada que tão bem honrou a função que exercia. Perde o Judiciário, perde a sociedade, perde, sobretudo, a família", conclui o texto.

Leia também: Oswaldo Eustáquio é condenado a pagar R$ 15 mil por acusação contra Boulos