Líder do Estado Islâmico foi morto na Síria após ação dos EUA, diz Biden

A complexa guerra da Síria, país fragmentado com a presença de vários grupos, provocou quase 500 mil mortes desde 2011.

Folhapress - 03 de fevereiro de 2022, 13:31

Foto: Reprodução/Twitter The White House
Foto: Reprodução/Twitter The White House

O líder do grupo extremista Estado Islâmico, Abu Ibrahim al-Hashimi al-Qurayshi, foi morto na Síria após uma ação militar dos Estados Unidos, informou nesta quinta-feira (3) o presidente Joe Biden. Nenhum militar norte-americano ficou ferido.

Na noite de quarta, forças especiais executaram uma operação para capturar extremistas em Idlib, região que está fora do controle do governo sírio. A operação terminou com 13 mortos, incluindo sete civis -sendo quatro crianças e três mulheres.

Um funcionário de alto escalão do governo dos EUA disse que o líder do Estado Islâmico morreu ao detonar uma bomba que levava junto a ele.

Em comunicado divulgado pela Casa Branca, o presidente Biden afirmou que foi feita uma "operação de contraterrorismo para proteger o povo americano e aliados".

Esta é a maior operação das forças norte-americanas na Síria desde a morte de Abu Bakr Al Baghdadi, então líder do Estado Islâmico, em outubro de 2019, explicou o diretor do Observatório Sírio para os Direitos Humanos, Rami Abdel Rahman.

A complexa guerra da Síria, país fragmentado com a presença de vários grupos, provocou quase 500 mil mortes desde 2011.

Nas redes sociais, a Casa Branca publicou uma foto de Joe Biden e da vice-presidente Kamala Harris na Sala de Situação, onde acompanharam a operação dos militares na Síria.