Macron abre 10 pontos de vantagem sobre Le Pen em pesquisa para eleição na França

Segundo a pesquisa mais recente, o mandatário tem 55% das intenções, contra 45% de sua rival, considerando os votos válidos.

Folhapress - 14 de abril de 2022, 10:12

Foto: Reprodução/Twitter
Foto: Reprodução/Twitter

A cerca de dez dias do segundo turno da eleição presidencial da França, o presidente e candidato Emmanuel Macron abriu dez pontos de vantagem sobre a ultradireitista Marine Le Pen.

Segundo a pesquisa Ipsos Sopra Steria divulgada nesta quarta-feira (13), o mandatário tem 55% das intenções, contra 45% de sua rival, considerando os votos válidos.

A projeção, apesar de positiva para o atual presidente, aponta uma possível perda de terreno em relação ao pleito de 2017, quando os dois disputaram o segundo turno. Naquele ano, Macron derrotou Le Pen por 66% a 34% dos votos válidos.

Além disso, sua posição à frente não é tão confortável, já que a margem de erro da pesquisa é de 3,2 pontos percentuais. Um outro levantamento, realizado pelo Instituto Francês de Opinião Pública (Ifop), aponta um resultado mais apertado, de 53% contra 47%.

Em busca da reeleição, Macron terminou o primeiro turno no último domingo (10) com 27,8% dos votos, enquanto Le Pen conquistou 23,2%. Em terceiro lugar veio o esquerdista Jean-Luc Mélenchon, com 22%, levando os candidatos a disputarem agora o voto da esquerda.

Segundo o mesmo levantamento Ipsos, 37% dos eleitores de Mélenchon indicam que devem votar em Macron, enquanto 18% devem optar por Le Pen, e 45% não quiseram se manifestar. O atual presidente também seria a provável escolha de 59% dos eleitores do ecologista Yannick Jadot (4,6% no primeiro turno) e de 47% daqueles da direitista Valérie Pécresse (4,8%).

Já entre os que optaram pelo ultradireitista Éric Zemmour no primeiro turno (7,1%), 81% devem votar em Le Pen e apenas 4% em Macron.

Outro ponto que a pesquisa destaca é a participação dos eleitores – na França, o voto não é obrigatório. Segundo o levantamento, 73% estão certos de que irão às urnas, número ligeiramente abaixo do visto na eleição de 2017, que teve a participação de 74,6% dos eleitores.

A abstenção chamou a atenção no primeiro turno. Das últimas 11 eleições presidenciais no país, que abrangem um período de quase 60 anos, esta foi a que teve o segundo maior índice de abstenção. De acordo com o Ministério do Interior, 25,1% dos franceses não compareceram às urnas. A taxa só não foi maior que a do pleito de 2002, de 28,4%.

A pesquisa ouviu 1.693 eleitores nos últimos três dias, que responderam às perguntas pela internet. A metodologia utilizada foi a chamada "rolling poll" (sondagem móvel, em tradução literal), na qual cerca de 500 eleitores são entrevistados por dia.