Mais de meio milhão de refugiados deixaram a Ucrânia, diz ONU

Grande parte dos refugiados da Ucrânia são mulheres, crianças e adolescentes que partem em trens lotados, carros e a pé

Redação - 28 de fevereiro de 2022, 17:31

Kiev, capital da Ucrânia. (Reprodução/Twitter)
Kiev, capital da Ucrânia. (Reprodução/Twitter)

De acordo com um balanço divulgado nesta segunda-feira (28) pela ONU (Organizações das Nações Unidas), mais de meio milhão de refugiados já deixaram a Ucrânia. As pessoas fogem para países vizinhos após uma invasão russa, extremamente violenta, ordenada por Vladimir Putin na última quinta-feira, dia 24 de fevereiro. 

Grande parte dos refugiados são mulheres, crianças e adolescentes que partem em trens lotados, carros e a pé. A Polônia é o principal destino daqueles que conseguiram fugir da guerra na Ucrânia. Até o último boletim, o país tinha recebido 281 mil pessoas. A Hungria já  recebeu mais de 84 mil refugiados, em seguida aparece a Moldávia, que acolheu 36.398 pessoas. Cerca de 30 mil refugiados foram para a Eslováquia e outros 34.600 mil pessoas foram para outros países europeus. 

A ONU estima que 4 milhões de ucranianos devem fugir do país em busca de refúgio durante a guerra. Homens com idade para lutar, ou seja, de 18 a 60 anos, não têm o direito de deixar a Ucrânia. Volodymyr Zelensky disse, na semana passada, que tal medida foi tomada para garantir a defesa do Estado, "mantendo a prontidão ampla de combate e movimentação das forças armadas da Ucrânia e outras formações militares".

Ucranianos não precisam de visto para entrar na União Europeia. Quatro países membros têm fronteiras terrestres com o país: Eslováquia, Hungria, Polônia e Romênia. 

ONU RECRIMINOU USO DE FORÇAS NUCLEARES PELA RÚSSIA

Na sessão emergencial da Assembleia Geral da ONU aberta hoje, em Nova Iorque, o presidente Abdulla Shahi defendeu um cessar-fogo imediato sobre a Ucrânia. Em seu discurso, ele afirmou que as consequências humanitárias dos conflitos serão devastadoras. Antonio Guterres, secretário-geral da ONU, agradeceu os países que acolheram refugiados e recriminou o uso de forças nucleares. “Estamos encarando na Ucrânia uma tragédia. Colocar forças nucleares é repugnante. Nada deve justifica um conflito nuclear”, condenou.

NEGOCIAÇÕES ENTRE A UCRÂNIA E A RÚSSIA

A rodada de negociações realizada pelos dois países, Ucrânia e Rússia, realizada nesta segunda-feira, na Belarus, terminou sem avanços. Os representantes voltaram para suas capitais para discutir os pontos abordados na conversa e devem marcar uma outra conversa nos próximos dias. De acordo com informações dos dois governos, Kiev buscava um cessar-fogo e a retirada das tropas russas e Moscou afirmou que esperava chegar a um acordo.