MST ocupa fazenda ligada a Temer em São Paulo

Redação


Cerca de mil famílias organizadas pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ocuparam na manhã desta segunda-feira (09), a fazenda Esmeralda, com sede em Duartina, Interior de São Paulo, ligada ao vice-presidente Michel Temer (PMDB).

Segundo o MST, o objetivo da ocupação é “denunciar conspirações golpistas de Temer, muitas vezes articuladas de dentro da propriedade”.

A fazenda tem cerca de 1,5 mil hectares, fica entre os municípios de Duartina, Fernão, Gália e Lucianópolis. Apesar de não constarem registros documentais em nome de Temer, moradores afirmariam que ele é o verdadeiro dono da área.

Segundo o MST, Temer é cunhado com a expressão “o homem está aí!”, sempre que chega na fazenda para participar de articulações regionais e nacionais do PMDB.

Os manifestantes denunciam também o cultivo eucalipto na propriedade, chamado de “deserto verde” pela sua atuação maléfica ao solo.

“A ocupação dessa fazenda é para denunciar a intervenção do agronegócio na articulação do golpe. Estamos aqui para denunciar as ligações escusas de Michel Temer com o proprietário da fazenda e sua empresa de fachada para arregimentar propina, informa Kelli Mafort, da Direção Nacional do MST.

Denúncias

A Argeplan, empresa do proprietário formal da fazenda, Coronel “Lima”, começou a crescer após a chegada de Temer no alto escalão do governo. Num contrato de R$ 162 milhões com a empresa Engevix, cujo proprietário José Antunes foi preso na operação Lava Jato, foi revelada (em delação premiada pelo próprio Antunes) o pagamento de propina no valor de R$ 1 milhão para o PMDB de Temer.

Apesar de ter mais de 1,5 mil hectares, em uma situação análoga ao “sítio de Atibaia” de 15 hectares remetido ao ex-presidente Luiz Inácio ‘Lula’ da Silva, a fazenda Esmeralda no Interior de São Paulo nunca teve a mesma cobertura de sua real posse por Temer, diz o MST.

Michel Temer ainda não se manifestou sobre a ocupação.

(Com informações do MST)

Previous ArticleNext Article