Pandemia produz evasão escolar e terá impacto na educação de jovens e adultos, diz educadora 

Redação

Impactos da pandemia na educação de jovens e adultos

A pandemia do covid-19 vai produzir impactos em todas as modalidades de ensino, inclusive na EJA (Educação de Jovens e Adultos). Segundo a coordenadora da área na Escola Superior de Educação do Centro Universitário Internacional Uninter, professora Maria Tereza Xavier Cordeiro, “o vácuo gerado pela pandemia na educação produzirá altas taxas de evasão dos estudantes no ensino regular que, futuramente retornarão como alunos da EJA”.

Ainda não há dados atualizados que relacionem pandemia e taxas de evasão, mas o Censo Escolar de 2020 já apontava uma queda de matrículas de 8,3% na educação de jovens e adultos em relação a 2019, o equivalente a 270 mil estudantes a menos nas salas de aula. A redução ocorreu tanto na EJA de nível fundamental (-9,7% com a redução de 187,4 mil matrículas) quanto na de nível médio (-6,2% com a redução de 83,5 mil matrículas).

 A especialista faz um prognóstico pessimista em relação também ao processo de alfabetização de jovens e adultos, afetado pela pandemia e que também tende a crescer. “Sem possibilidade de continuidade dos programas de alfabetização presenciais, o número de pessoas não—alfabetizadas aumentará assim como o de pessoas com baixíssima noção de leitura e escrita”, pontua. O Brasil ainda tem 11 milhões de analfabetos, segundo dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio) Contínua Educação 2019, divulgada pelo IBGE.

Novas diretrizes para Educação de Jovens e Adultos

A análise sobre as consequências da pandemia sobre o EJA foi feita no momento em que o Conselho Nacional de Educação estabeleceu novas diretrizes operacionais para a Educação de Jovens e Adultos (EJA) em todo o país, a partir deste mês. As mudanças foram necessárias para alinhar as diretrizes da EJA à Política Nacional de Alfabetização à nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e a Educação dos Jovens e Adultos a Distância.

Segundo Maria Tereza, entre as principais medidas estão a inclusão de competências e habilidades definidas na BNCC. A Base é o documento que determina os direitos de aprendizagem de todo aluno cursando a Educação Básica no Brasil e possui 10 Competências Gerais que operam como um “fio condutor” no processo de aprendizagem. “Considero fundamental para a EJA  algumas das competências  descritas na BNCC como a argumentação, trabalho e projeto de vida, cultura digital e responsabilidade e cidadania”, disse Maria Tereza.

 

Leia também: Covid: HC seleciona voluntários para tratamento da perda de olfato

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="774021" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]