Paraná testa equipamento para tratar água do mar

Mariana Ohde


A Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) deve iniciar, em agosto, os testes de um equipamento capaz de tratar a água do mar. Os equipamentos chegaram à Estação de Tratamento de Água de Praia de Leste, na cidade de Pontal do Paraná, nesta terça-feira (19), e os testes devem durar seis meses.

Os equipamentos utilizam as tecnologias de osmose reversa e ultravioleta. No litoral, além dos testes de dessalinização da água do mar, eles também serão utilizados para pesquisas de tratamento em água com carga orgânica alta. Os equipamentos também podem servir para uso na remoção de sais dissolvidos, na remoção de metais em água de poços, na redução de flúor e na produção de água industrial, que reutiliza a água de efluentes.

O diretor de Meio Ambiente da Sanepar, Glauco Requião, explica que a intenção é desenvolver as melhores soluções possíveis para o sistema de tratamento de água. “Esse sistema piloto dá suporte para técnicas avançadas de tratamento da água e para o polimento secundário de efluentes, que poderá ser aplicado no futuro. Os testes podem nos dar respostas importantes para avaliarmos e medirmos muitas variáveis”, afirma.

Os pesquisadores da Sanepar, Ronald Gervasoni, Mariana Espíndola de Souza e Ana Claudia Brueckheimer, responsáveis pelo projeto, explicam que será utilizada energia de fontes eólica e solar.

“Um dos maiores gastos operacionais de um sistema com membranas está na energia elétrica. Queremos verificar se com o uso dessas outras fontes o sistema se torna mais sustentável e econômico”, diz Gervasoni.

Ele conta que, além de pesquisas sobre técnicas de tratamento, os testes podem ajudar a definir a concepção de novos sistemas e mesmo o aperfeiçoamento dos atuais. “A planta servirá também para avaliar a tecnologia em situações diferentes como água de barragem, de rios e de poços. O efluente tratado também será avaliado para verificar o potencial de reúso e poderemos obter parâmetros para projeto em cada situação”, afirma.

Projeto

O sistema está sendo estudado desde 2013 por profissionais da Sanepar e conta com apoio de pesquisadores da University of North Texas, University College London e da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Parte do projeto é custeada pela Secretaria de Estado Americano, depois de ter concorrido com mais de 300 outros projetos ligados à implantação e monitoramento de sistemas sustentáveis de dessalinização em escala piloto.

O sistema piloto tem capacidade para produzir mil litros de água tratada por hora e é composto por filtro de discos, sistema de abrandamento duplo, filtro de cartucho, sistema de filtração por membranas de osmose reversa de duplo passo, sistema de desinfecção por ultravioleta e dosadora de cloro.

Segundo o gerente de pesquisa da Sanepar, Gustavo Possetti, a especificação e a entrega do sistema piloto atendem aos objetivos traçados para o Centro de Tecnologias Sustentáveis da Sanepar (CETS) em relação à antecipação de tendências tecnológicas. “A aquisição deste sistema avançado orientará os futuros parâmetros para o dimensionamento, otimização e implantação de novas tecnologias na Sanepar. Com esta última aquisição, o CETS complementa sua estrutura de pesquisa e desenvolvimento, referência entre as empresas de saneamento do Brasil”, diz.

 

Previous ArticleNext Article
Mariana Ohde
Repórter no Paraná Portal