câmara dos vereadores
Compartilhar

PF interceptou ligações em que Francisco Assis diz destruir documentos; ouça

Fernando Garcel, Narley Resende e Thaissa MartiniukO ex-superintendente regional do Ministério da Agricultura, Pecuária ..

Fernando Garcel - 31 de maio de 2017, 15:50

Fernando Garcel, Narley Resende e Thaissa Martiniuk

O ex-superintendente regional do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) no Estado de Goiás, Francisco Carlos de Assis, foi preso na 2ª fase da Carne Fraca na manhã desta quinta-feira (31). Ele é acusado de destruir provas relevantes para as investigações da operação que apura o esquema de irregularidades na fiscalização de frigoríficos. Ele foi flagrado em grampos telefônicos informando sobre a destruição de documentos.

Ex-superintendente do Mapa em Goiás é preso em 2ª fase da Carne Fraca

Alvo de mandado de prisão preventiva, quando não há prazo para liberdade, Assis foi preso pela Polícia Federal (PF) em Goiás e será encaminhado para a carceragem da Superintendência da PF em Curitiba, onde permanecerá a disposição do juízo da 14ª Vara Federal da capital, na quinta-feira (1º).

De acordo com a Polícia Federal (PF), Assis foi flagrado em interceptações telefônicas detalhando a destruição de documentos que pudessem o comprometer. Segundo o despacho do juiz federal Marcos Josegrei da Silva, a prisão foi necessária para evitar a destruição de novas provas. "A decretação da prisão preventiva de Francisco decorre, assim, da necessidade de se evitar nova destruição de provas e a sua própria ocultação pessoal das autoridades", despachou o magistrado.

Nos trechos interceptados pela PF, o ex-superintendente conversa com a esposa e conta que destruiu documentos. Ele cuidou de "picar 'bem picadinho' uma quantidade considerável de

papéis, a ponto de ficar com os dedos até doendo", diz o despacho do juiz.

LUCIANA: oi amor

FRANCISCO: oi amor. Eu acabei de rasgar as coisa aqui. Rasguei tudo bem picotadinho.

LUCIANA: ah tá

FRANCISCO: nossa, eu tô com os dedo até doendo!

LUCIANA: ah…mas arrumou tudo né?

FRANCISCO: arrumei

Em uma segunda gravação, Francisco Assis afirma que estava "limpando conversas".

FRANCISCO: não, é porque ele num tá lá. Eu tô limpando aquelas... eu tô limpando aquelas conversa tudo que eu tenho aqui sabe?

LUCIANA: quis conversa?

FRANCISCO: não, que eu conversava com um pessoal, com outro... eu tô limpando tudo, sabe?

LUCIANA: ahh

Ouça trechos da interpretação telefônica divulgadas pela PF:

De acordo com o juiz, o aparelho celular não foi apreendido pela PF. "O aparelho celular do investigado não foi apreendido, por não ter sido localizado e tampouco espontaneamente apresentado por ele na Polícia Federal, o que pode ter gerado a destruição e desaparecimento de provas por parte de Francisco", diz Josegrei.

Além da destruição de documentos, o magistrado aponta outros fatos que corroboram para a prisão do investigado. De acordo com Josegrei, o ex-superintendente atuava a favor de interesses da empresa BRF em troca de favores além de receber cerca de R$ 5 mil como renda extra das empresas fiscalizadas.

 

Operação Carne Fraca

Na primeira fase da operação, em março, o chefe do Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Animal em Goiás (Sipoa-GO), o médico veterinário Dinis Lourenço da Silva, foi preso pela PF, além de outros servidores no Estado que foram conduzidos coercitivamente.

A Operação Carne Fraca apura o envolvimento de fiscais do Mapa no esquema de liberação de licenças e fiscalização irregular de frigoríficos. De acordo com as investigações, o esquema em Goiás era chefiado por Dinis, que foi flagrado em escutas telefônicas negociando a manutenção de um frigorífico da BRF em Mineiros, no sudoeste de Goiás, que tinha indicação de suspensão das atividades.