Prisões temporárias de investigados na Carne Fraca vencem hoje

As prisões temporárias de 11 investigados na Operação Carne Fraca da Polícia Federal (PF), vencem nesta terça-feira (21)..

Andreza Rossini - 21 de março de 2017, 10:25

As prisões temporárias de 11 investigados na Operação Carne Fraca da Polícia Federal (PF), vencem nesta terça-feira (21). Cabe ao juiz federal Josegrei da Silva, da 14ª Vara Federal de Curitiba, decidir se elas serão prorrogadas por mais cinco dias, convertidas em prisão preventiva ou se os suspeitos serão liberados.

A esposa e o filho do suposto líder do esquema de venda de carne adulterada estão entre os presos, além de três fiscais agropecuários do Ministério da Agricultura, suspeitos de receberam valores ilícitos em Maringá, no noroeste do estado, e Foz do Iguaçu, no oeste.

Também estão na lista de presos preventivamente, um agente de inspeção do Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Sipoa) , suspeito de extorquir a rede de restaurantes Madero, um classificador de Produtos da Companhia de Desenvolvimento Agropecuário do Paraná, um agente de inspeção do Ministério da Agricultura, e um agente administrativo de uma unidade de agricultura de Londrina, no norte do Paraná.

Outras 27 pessoas tiveram prisão preventiva decretada, que não tem prazo para liberação.

A Polícia Federal (PF) precisa apresentar hoje os laudos técnicos que serviram de base para a operação.

São, ao todo, 34 funcionários públicos investigados, 20 deles cumprem mandado de prisão. Entre os executivos, há três da BRF e dois da JBS - três dos executivos estão presos. Foram cumpridos 309 mandados judiciais, sendo 27 de prisão preventiva, 11 de prisão temporária, 77 de condução coercitiva e 194 de busca e apreensão em residências e locais de trabalho dos investigados e em empresas supostamente ligadas ao grupo criminoso, por 1.100 policiais federais.

As ordens foram cumpridas em sete estados: São Paulo, Distrito Federal, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Goiás.

Operação Carne Fraca

A Polícia Federal  (PF) deflagrou na última sexta-feira (17) a Operação Carne Fraca, com o objetivo de desarticular uma organização criminosa liderada por fiscais agropecuários federais e empresários do agronegócio.

Fraude em frigoríficos preocupa cadeia produtora e pode afetar exportações

A operação detectou, em quase dois anos de investigação, que as Superintendências Regionais do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) no Paraná, Minas Gerais e Goiás atuavam diretamente para proteger grupos empresariais em detrimento do interesse público.

Os frigoríficos são acusados de cometer irregularidades como re-embalar carnes vencidas e adicionar produtos cancerígenos para melhorar o cheiro e aparência de carnes podres, entre outras irregularidades.