Procurador ataca juíza com facada na sede do Tribunal Regional Federal

Um procurador da Fazenda foi preso pela Polícia Federal nesta quinta-feira (3) sob suspeita de atacar uma juíza na sede ..

Folhapress - 04 de outubro de 2019, 09:32

SÃO PAULO,SP,04.10.2019:PROCURADOR-ESFAQUEIA-JUÍZA-TRF-3ª-REGIÃO-PRISÃO - Fachada da sede do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3), na Avenida Paulista, em São Paulo (SP), nesta sexta-feira (04), onde o procurador da Fazenda Matheus Carneiro Assunção, foi preso na noite desta quinta-feira, dia 03, após esfaquear a juíza Louise Filgueiras. O procurador teria entrado com a faca de cozinha escondida em suas roupas. (Foto: Willian Moreira/Futura Press/Folhapress)
SÃO PAULO,SP,04.10.2019:PROCURADOR-ESFAQUEIA-JUÍZA-TRF-3ª-REGIÃO-PRISÃO - Fachada da sede do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3), na Avenida Paulista, em São Paulo (SP), nesta sexta-feira (04), onde o procurador da Fazenda Matheus Carneiro Assunção, foi preso na noite desta quinta-feira, dia 03, após esfaquear a juíza Louise Filgueiras. O procurador teria entrado com a faca de cozinha escondida em suas roupas. (Foto: Willian Moreira/Futura Press/Folhapress)

Um procurador da Fazenda foi preso pela Polícia Federal nesta quinta-feira (3) sob suspeita de atacar uma juíza na sede do TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região), em São Paulo.

O suspeito foi detido no local, na avenida Paulista, e levado nesta noite para a sede da PF, na zona oeste da capital paulista.

A informação foi relevada pelo site Conjur.

Segundo a PF, as circunstâncias do caso ainda estão sendo apuradas.

Procurada, a assessoria do tribunal informou apenas que a juíza Louise Filgueiras, vítima do episódio, passa bem.

O Conjur diz que ela teve seu gabinete invadido pelo procurador da Fazenda Nacional Matheus Carneiro Assunção, que teria acertado uma facada no pescoço da juíza. O ferimento, porém, foi leve.

Louise havia sido convocada para substituir um desembargador de férias.

O episódio ocorre em meio ao choque da classe jurídica depois de declarações do ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que disse ter planejado matar o ministro do STF Gilmar Mendes em 2017.

Na semana passada, Janot disse a veículos de imprensa que chegou a entrar uma vez no Supremo Tribunal Federal armado com uma pistola com a intenção de assassinar Gilmar, por causa de insinuações que ele teria feito sobre sua filha.

O ex-PGR afirmou que "só não houve o gesto extremo porque, no instante decisivo, a mão invisível do bom senso tocou meu ombro e disse: não".