Geral Patrocinado
Compartilhar

Se falta de água já é um problema, imagine falta de sangue

O Paraná vive a maior e mais severa estiagem dos últimos 100 anos. Embora a área tenha sido reduzida em muitos município..

Conteúdo patrocinado - 24 de junho de 2020, 10:06

Divulgação/Unimed
Divulgação/Unimed

O Paraná vive a maior e mais severa estiagem dos últimos 100 anos. Embora a área tenha sido reduzida em muitos municípios, a situação de emergência hídrica continua em Curitiba, Região Metropolitana e no litoral. E se a falta de água é preocupante em tempos de pandemia provocada pelo novo coronavírus, imagina o que representa a escassez de sangue.

Para conscientizar a população sobre a importância da doação mesmo durante o isolamento e distanciamento físico, a Unimed Curitiba e a Unimed Laboratório lançaram no dia 15 de junho, uma série de ações para estimular o abastecimento e o aumento dos estoques nos bancos de sangue.

Para se ter uma ideia, no mês de maio, o Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná (Hemepar) registrou apenas 11.823 doações em toda a Hemorrede, menor número desde o início do ano.

Com o mote “Se falta de água já é um problema, imagine falta de sangue. Doe e salve vidas”, a campanha busca despertar a população para o nobre ato de amor e empatia com o próximo. “Nossa marca tem como propósito o cuidado com as pessoas e, em um momento tão sensível como o que vivemos hoje, faremos uma série de ações diferenciadas para atrair a atenção da população sobre o assunto e, claro, incentivar às doações que salvam milhares de vidas”, explica Valéria Lopes, supervisora de Marketing da Unimed Curitiba.

Imagens de torneiras que gotejam sangue serão vistas em diversos locais, como anúncios online, placas de rua, canal Tá Tendo, projeções de LED em edifícios, além das redes sociais e unidades de atendimento e ambiente corporativo da Unimed Curitiba e empresas do grupo - com adesivagem das torneiras com a mensagem mote da campanha. O objetivo é orientar os doadores para encontrarem o banco de sangue mais próximo.

DOAÇÕES

Vale lembrar que houve uma série de ajustes na rotina de doações, justamente para cumprir o protocolo que visa garantir toda a segurança necessária para evitar a disseminação do novo coronavírus. Agora, também é preciso agendar a doação, assegurando o mínimo contato possível com equipe e demais pessoas nos bancos de sangue.

Pessoas que estejam em boas condições de saúde com idade entre 16 e 67 anos (menores de idade com autorização e presença do responsável legal), com peso mínimo de 50 quilos, descansadas e com alimentação adequada podem doar. Homens podem doar sangue a cada 60 dias e mulheres em um intervalo de 90 dias. É imprescindível a apresentação de documento de identificação com foto.