Sul do Brasil é a região que mais preza por conforto e privacidade no transporte

Redação


Embora o carro próprio ainda seja o principal meio de transporte para 43% dos moradores da região Sul, 26% dos sulistas já aderiram aos aplicativos de mobilidade urbana. É o que aponta a pesquisa ‘Como o brasileiro entende o transporte urbano’, realizada pela IPSOS e encomendada pela 99, empresa brasileira de tecnologia integrada à Didi Chuxing, maior companhia de mobilidade do mundo.

De acordo com o levantamento, a privacidade é o atributo mais significativo para 18% dos residentes da região, que optaram pelo app como modo de transporte urbano. Fatores como conforto e pontualidade também foram destacados pelos entrevistados.

Muitos passageiros escolhem o serviço de aplicativo não só pela conveniência e preço, mas também porque durante a corrida é possível realizar outras atividades, como leitura, envio de e-mails e até mesmo reuniões via celular, sem se preocupar com o trânsito. É o caso da Keity Marques, empresária, de 26 anos.

“Eu vendi o carro e passei a utilizar o serviço de aplicativo. Além de conseguir comodidade e privacidade, eu ainda ganho tempo para me concentrar em outras tarefas quando estou no veículo. Quando eu coloquei na ponta do lápis, percebi que compensava muito mais financeiramente”, diz a empresária.

Atenta às necessidades dos consumidores da região, a 99 lançou na região a nova categoria 99Comfort, que conta com carros selecionados, condutores bem avaliados e atendimento de qualidade a um preço acessível.

 A DESECONOMIA DO CARRO PRÓPRIO

De acordo com o estudo da IPSOS, 78% dos sulistas informaram não fazer planejamento financeiro quanto aos custos com deslocamentos diários. Para fomentar o debate e escolhas inteligentes, a 99 realizou estudos que mostram as vantagens econômicas da substituição do carro próprio por outros modos de transporte.

Em Curitiba, para quem trafega menos de 33 km por dia, é mais vantajoso usar 99Pop. Já em Porto Alegre, vale a pena abandonar o carro próprio para todos aqueles que percorrem até 39 km por dia. O levantamento considera os custos fixos de manter um carro popular nas cidades apontadas e os gastos com combustível e estacionamento.

“Para quem tem carro em casa, o gasto real mensal pode chegar a R$ 2.090,58 incluindo combustível, IPVA, seguro e manutenção. Este é um valor subestimado pela maioria das pessoas, o que pode impactar na economia familiar de muitos brasileiros”, comenta Pâmela Vaiano, diretora de Comunicação da 99.

Ainda de acordo com Pâmela, a empresa não incentiva somente a substituição do carro próprio pelo app, como também a combinação com o transporte público para a construção de cidades mais acessíveis e humanas.

Previous ArticleNext Article