Suspeito diz à polícia que enterrou corpos de Dom e Bruno

Após agentes encontrarem vestígios de sangue no seu barco, Amarildo teve a prisão temporária decretada por suspeita de envolvimento no desaparecimento.

Do UOL - 15 de junho de 2022, 17:36

(Fotos: Redes Sociais)
(Fotos: Redes Sociais)

O pescador Amarildo da Costa Oliveira, o "Pelado", 41, afirmou à Polícia Federal que enterrou os corpos do indigenista Bruno Araújo Pereira, servidor licenciado da Funai (Fundação Nacional do Índio), e do jornalista Dom Phillips, correspondente do jornal The Guardian.

Em depoimento recente (entre ontem e hoje), Amarildo negou ter atirado na dupla, segundo fonte da PF ouvida pelo UOL. O pescador disse aos policiais que recebeu os corpos queimados, mas de forma que seria possível identificá-los.

Nesse depoimento, Amarildo afirmou que uma segunda pessoa o ajudou a enterrar os corpos. O pescador ainda acusou uma terceira pessoa de disparar contra o indigenista e o repórter —as identidades dos suspeitos apontados por Amarildo não foram reveladas à reportagem. As buscas continuam na Amazônia.

A Polícia Federal do Amazonas levou hoje Amarildo ao local das buscas. Uma embarcação com o suspeito e policiais subiu o rio Itaquaí, percorrido por Bruno e Dom quando foram vistos pela última vez no dia 5 de junho no trajeto entre a comunidade ribeirinha São Rafael e a cidade de Atalaia do Norte (AM).

Em nota enviada hoje pelo comitê de crise coordenado pela Polícia Federal confirmou a continuidade das buscas pelos desaparecidos. "Há previsão de conclusão de parte das análises periciais ainda [hoje]", disse.

A Polícia Federal prendeu ontem Oseney da Costa de Oliveira, 41, o segundo suspeito de envolvimento no crime. Ele é irmão de Amarildo, que foi preso em flagrante no dia 7 por porte de munição de uso restrito.

Após agentes encontrarem vestígios de sangue no seu barco, Amarildo teve a prisão temporária decretada por suspeita de envolvimento no desaparecimento. O material está sob análise de peritos em Brasília.

Segundo depoimentos à PF, Amarildo seguia de lancha a embarcação de Bruno e Dom. Na sexta (10), uma testemunha disse à Polícia Civil ter visto Amarildo acompanhado de outro homem no barco. No entanto, a PF não divulgou se o suspeito é Oseney. Amarildo e o irmão moram na comunidade São Gabriel, habitada por ribeirinhos que vivem de pesca e da agricultura.