Suspensão de CNHs é 40% menor entre as mulheres

Fernando Garcel


Como parte das atividades relacionados ao Outubro Rosa, símbolo de alerta para prevenção e saúde da mulher, o Detran (Departamento de Trânsito do Paraná) divulgou o perfil das mulheres condutoras do Estado.

Os dados conversam bem com o tema da prevenção e cautela. As mulheres, que representam apenas 33% dos motoristas do Paraná, mas são comprovadamente mais cuidadosas no trânsito. Pelo menos é o que indica o registro de carteiras de habilitação suspensas do departamento de trânsito.

De acordo com os registros do Detran, cerca de 14 mil condutoras tiveram suas CNHs suspensas entre janeiro e setembro deste ano. Entre os homens, o número foi de 41 mil, no mesmo período, representando 74% das suspensões registradas no Estado. O número já seria naturalmente mais alto, porque mais pessoas do sexo masculino circularam nas ruas – eles são 67% dos condutores. Mas mesmo na comparando entre o universo de homens motoristas e mulheres motoristas, a porcentagem de homens que perderam suas CNHs é maior, A cada mil homens, 11,3 tiveram a suas CNHs suspensas nos primeiros sete meses do ano, já entre as mulheres a proporção é bem menor – a cada mil delas somente 8 foram suspensas. A diferença entre os sexos é de 40%.

Seguradoras já sabem
A fama ingrata de ‘perigosas’ no trânsito não combina com a realidade das mulheres. As corretoras de seguro mostram isto historicamente. Segundo José Antônio de Castro, presidente do Sincor PR (Sindicato dos Corretores de Seguros do Paraná) valor do seguro de carros para mulheres é 8% menor que dos homens.

“O que gera esta diferença é mulheres dirigem em menores velocidades, e os impactos das batidas são menores”, explicou o presidente, ressaltando que o número de contratantes do sexo feminino subiu cerca de 22% dos últimos três anos. “Elas são mais cuidadosas, estão buscando as seguradoras, se prevenindo”, afirmou.

Esta característica foi justamente o que impulsionou o Detran a divulgar perfil das condutoras paranaenses. “Como é Outubro Rosa, queríamos estabelecer esta relação de prevenção com os dados que a gente possui”, explicou Farid Gelasco Malschitzky, coordenador de habilitação do Detran.

Os dados também mostram crescimento de motoristas do sexo feminino, registrado em 30% nos últimos cinco anos. “A carteira representa a independência da mulher. Hoje elas buscam alternativas de mobilidade”, comentou o coordenador.

Entre janeiro e setembro, 56 mil mulheres foram habilitadas no Estado. A maior parte, 63%, tem entre 18 e 24 anos. O número diminui gradativamente a medida que a faixa etária avança. “Pensando nas pessoas com 25 anos hoje, quando tinham elas tinham 18, sete anos atrás, havia uma diferença social maior entre os gêneros. Isto foi mudando”, acrescentou Malschitzky.

Com informações do Metro Jornal Curitiba

Previous ArticleNext Article