UEL garante que vestibular será realizado mesmo com greve e ocupação

A Universidade Estadual de Londrina (UEL), no norte do Paraná, garantiu que a primeira fase do Vestibular de 2017 da ins..

Andreza Rossini - 17 de outubro de 2016, 12:12

A Universidade Estadual de Londrina (UEL), no norte do Paraná, garantiu que a primeira fase do Vestibular de 2017 da instituição, marcado para o próximo domingo, dia 23 de outubro, será realizado mesmo com a greve dos servidores da educação.

A UEL não está ocupada por estudantes do ensino médio que protestam contra a reforma na educação proposta por Michel Temer. No município, são 23 escolas ocupadas. Os alunos que fariam as provas nos colégios ocupados foram remanejados para outras instituições, de acordo com a UEL.

O cartão de inscrição do candidato, que confirma o local da prova, foi divulgado na última sexta-feira (14).

O Vestibular 2017 tem 22.943 inscritos, entre candidatos e treineiros. O concurso será realizado em duas etapas. A 1ª fase será em 23 de outubro (1ª fase), das 14 às 18 horas, com Prova de Conhecimentos Gerais; e a 2ª nos dias 4, 5 e 6 de dezembro.

São ofertadas 2.480 vagas, em 53 cursos de graduação, sendo que outras 600 serão ofertadas por meio do Sistema de Seleção Unificada (SISU). O resultado final do Vestibular sai em 24 de janeiro no site da Cops.

Greve

Os servidores da rede estadual de ensino entraram em greve nesta segunda-feira (17), contra uma emenda, encaminhada ao governador Beto Richa à Assembleia Legislativa do Paraná para suspender o reajuste dos servidores, previsto para janeiro.

Greve tem adesão metade dos professores do Paraná, diz sindicato

A lei firmada em acordo com os servidores, após a greve que durou cerca de 40 dias e ficou marcada pela violência do 29 de abril, determina que o governo pague, em 1° de janeiro, o reajuste atrasado dos servidores, repondo os índices de inflação de janeiro a dezembro de 2016, acrescentando ainda mais um percentual de 1% de adicional de data-base relativo à compensação dos meses não pagos do ano de 2015. A lei foi proposta após acordo que encerrou a greve do funcionalismo no ano passado.