Vacina contra Covid-19 da UFPR se mostra eficaz em duas doses

Redação

vacina, coronavírus, covid-19, sars-cov-2, vacina russa, rússia, paraná, sputnik

A UFPR (Universidade Federal do Paraná) anunciou nesta quarta-feira (23) que a vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela universidade se mostrou eficiente quando administrada em duas doses.

Os resultados foram obtidos após o primeiro período de testes com camundongos, feito na fase pré-clínica.

Os testes foram divididos em três grupos de camundongos, que receberam duas imunizações em um período de 20 dias:

  • O primeiro recebeu a imunização com partículas do polímero bacteriano polihidroxibutirato (PHB) recobertas com partes específicas da proteína Spike, que é a proteína que permite ao Sars-CoV-2 infectar nossas células;
  • O segundo recebeu a imunização com as partículas somadas ao djuvante de Freund, uma solução de antígeno usado como um imunopotenciador;
  • O terceiro recebeu apenas o polímero bacteriano polihidroxibutirato (PHB).

Os resultados apontaram que apenas na segunda imunização houve uma produção significativa de anticorpos nos camundongos do primeiro grupo em comparação ao grupo controle.

“De sete animais no grupo imunizado com antígeno ligado ao PHB, cinco apresentaram resposta pelo menos 20 vezes superior à do grupo controle. Na média, o grupo apresentou 54 vezes mais anticorpos contra o antígeno que o grupo controle”, explicou o professor do Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular da UFPR e um dos responsáveis pelo estudo, Marcelo Müller dos Santos.

Os camundongos que receberam o Adjuvante de Freund produziram 37 vezes mais anticorpos do que o grupo controle, mas apresentaram resultado menor do que as cobaias que não receberam o composto.

“Se confirmado que a imunização com partículas de PHB não necessita de adjuvantes, pode ser um fator de economia bastante importante na produção de uma futura vacina aplicando essa tecnologia. Nos testes seguintes, analisaremos a reprodutibilidade desses resultados, o efeito do tamanho das partículas e da carga de antígeno”, finalizou Müller dos Santos.

A próxima etapa também irá verificar a eficiência da imunização intranasal. Caso os resultados sejam positivos, será possível avaliar se os soros dos animais imunizados podem neutralizar a infecção da Covid-19 em cultura de células, sendo esse um passo fundamental para eficácia da vacina.

LEIA MAIS: Secretária Márcia Huçulak se diz a favor da volta às aulas em Curitiba

Previous ArticleNext Article