Passado um ano, asilo ainda recebe doações e visitas de campanha de Natal

Mariana Ohde


Você se lembra deles? Em novembro do ano passado, uma campanha realizada por voluntários do Asilo São Vicente de Paulo, na Lapa, Paraná, fez sucesso. Eles tiraram fotos dos moradores do lar com um quadrinho, no qual escreveram seus pedidos de presentes de Natal.

A campanha foi publicada nas redes sociais pelos próprios voluntários – na época, o asilo não possuía páginas ou perfis na web. As fotos se espalharam e o resultado foi uma enxurrada de doações, que chegaram, em peso, durante três meses. E alguns itens ainda estão em estoque – especialmente os de higiene pessoal, como shampoos, pasta de dente e sabonetes.

Segundo o voluntário Claudio Rodrigues Calsavara, os funcionários e voluntários do asilo não chegaram a contar quantos itens foram recebidos, mas uma grande quantidade chegou até janeiro. Depois, as doações diminuíram, mas não cessaram. “Após a postagem em rede social e divulgação pela mídia, o lar passou a receber além dos presentes solicitados, doações de alimentos, material de limpeza e em espécie”, conta.

“As doações que extrapolaram as necessidades do lar foram guardadas para serem utilizadas durante o ano, como pantufas, gorros, bonés, chapéus, camisetas. Outras, como as roupas usadas que não atendiam a necessidade ou o perfil do idoso, foram incorporadas ao bazar beneficente que a entidade realiza mensalmente”.

Entre os itens mais doados, estavam cadernos e lápis de cor, pedido de um dos idosos. “Uma empresa chegou a mandar caixas de cadernos”, conta Claudio. O excedente foi doado a escolas da região.

“Algumas pessoas remeteram as doações e pediram que fizéssemos a entrega e mandássemos algumas fotos, outras vieram pessoalmente e entregaram aos idosos”, lembra. Uma parte das doações foram recolhidas pelos voluntários em Curitiba, no domingo após a postagem, e entregues posteriormente.

“Algumas pessoas tomaram conhecimento das fotos após as festas de final de ano e, mesmo assim, procuraram o lar”, acrescenta Claudio.

Os itens vieram de todos os estados brasileiros, segundo o voluntário. “Recebemos doações até de fora do Brasil. Veio um calçado de Israel, de uma pessoa que viu as fotos no Facebook e fez a remessa. Também recebemos roupas de uma pessoa que mora na Alemanha”, comemora.

E muitos dos doadores continuaram ajudando o lar ao longo do ano. “Um exemplo: a menos de uma semana, recebemos uma ligação de uma pessoa sobre as fotos da campanha. Explicamos que eram do Natal passado. Logo depois, recebemos um e-mail desta pessoa informando que ela havia realizado um depósito na conta do lar como doação”, conta Claudio.

A campanha trouxe outro benefício. “O lar ficou mais visível, o trabalho que a gente desenvolve. As pessoas visitaram, conheceram e algumas acabaram permanecendo”, conta. Segundo ele, cerca de dez pessoas seguem fazendo doações regularmente.

“Fomos surpreendidos pelo retorno. Tanto que, neste ano, não planejamos uma campanha. Talvez apenas um Natal solidário, pedindo a doação de alimentos, que é o que mais faz falta”, conta Claudio.

“Nós só temos a agradecer, a solidariedade de diversas pessoas, com doações individuais, campanhas diversas, visitas, trabalhos voluntários, convênios com órgão público têm permitido uma melhor qualidade de vida aos nossos idosos”.

“Obrigado”

Judite Anhaia dos Santos, de 71 anos, uma das moradoras do lar, conta que ganhou “bastante coisa”: toalha de banho, de rosto, roupas. “Tenho a dizer que adorei tudo, gostei de tudo. E agradeço. Agradeço muito, muito a eles”, diz. “Quero aproveitar para agradecer a todos, todos os que me deram presentes e também os que não deram e vieram fazer visita aqui. Adorei tudo”, enfatiza Judite.

Pedro Caus, de 72 anos, também foi um dos beneficiados e diz que as doações foram importantes. “Eu achei boa a doação e espero que nesse ano continue”, diz. “Ganhei camisa, calça, blusa, camiseta, relógio”. Já Josefa Domingues, de 88 anos, perdeu as contas dos presentes: “Eu gostei, gostei”, conta, “[Recebi] tanta coisa que nem sei. Recebi bastante coisa e adorei”.

Francisco Lemos da Silveira, de 73 anos, conta que as doações também foram importantes para ele. “Recebi uma porção de coisas”, comemora, “Tudo bem caprichado”. Ele também agradeceu as visitas recebidas: “gosto de conversar”, brinca.

O São Vicente da Paulo da Lapa abriga, hoje, 39 idosos: 29 homens e 10 mulheres.

Veja algumas das fotos de 2016 e recentes:

Doações

Para valorizar as doações, a preocupação dos voluntários é, agora, pedir por itens que possam ser estocados e reaproveitados. “Somos uma associação sem fins lucrativos, parte de nossos recursos para sobrevivência é oriundo de doações”, explica Claudio. Segundo ele, toda doação é aproveitada – os excedentes são sempre estocados para uso futuro.

Entre os itens mais necessários estão os de higiene pessoal e roupas, que além de doadas aos idosos são vendidas no bazar. Entre os alimentos, o asilo precisa, neste final de ano, de café, maionese, macarrão, quirera, leite condensado, sagu e canjica.

As doações podem ser feitas diretamente no asilo ou enviadas pelo correio para o endereço Rua Barão do Rio Branco, número 440, na Lapa, Paraná. O CEP é 83750-000. Também é possível fazer doações em dinheiro, depositando a quantia diretamente na conta do asilo – basta entrar em contato pelo telefone (41) 3622-3362.

O e-mail do asilo foi criado neste ano – lardeidosossvp@gmail.com – e a instituição também tem uma página no Facebook.

Os presentes e doações também podem ser enviados pelo correio. O endereço é Rua Barão do Rio Branco, número 440, na Lapa, Paraná. O CEP é 83750-000.

Outras entidades em Curitiba

Asilo São Vicente de Paulo de Curitiba atua há 90 anos e tem capacidade para 160 idosas. O atendimento de longa permanência atende apenas mulheres. As formas de doação estão disponíveis no site da instituição.

Já o Lar de Idosos Recanto Tarumã atende cerca de 120 homens e também aceita doações em dinheiro ou de itens de higiene, alimentos e roupas no local.

Você encontra uma lista completa das entidades assistenciais voltadas para idosos, com ou sem fins lucrativos, no site da Fundação de Ação Social (FAS) de Curitiba.

Previous ArticleNext Article
Mariana Ohde
Repórter no Paraná Portal