Construtoras apostam em empreendimentos voltados ao público 60+

Redação

Construtoras e público 60+

Com o aumento da expectativa de vida no país, o chamado público 60+ cresce a cada ano e ganha importância econômica. Se em outras áreas da economia esse mercado ganhou atenção especial, na construção civil não é diferente. As construtoras começam a lançar empreendimentos voltados para a faixa etária, com características específicas para atender às preferências e às necessidades de quem já passou das seis décadas de vida.

Curitiba e Paraná acompanham a tendência, sobretudo no segmento dos imóveis de alto padrão. Duas grandes construtoras – a A Yoshii e a Laguna – têm empreendimentos para esse público em construção ou a caminho. Em todos, a preocupação é apresentar imóveis capazes de oferecer segurança, autonomia e bem-estar aos futuros moradores.

No Grupo A.Yoshii, a gerente de Marketing Maria Fernanda Beneli Vicente observa que há uma boa parcela consumidora com mais de 60 anos. E lembra que este é mais um público para o qual a A.Yoshii vem olhando, a fim de atender e superar expectativas.

Público 60+ tem potencial de compra

“Estamos sempre alinhados às tendências de mercado, o que nos permite incorporar soluções que atendam a diferentes públicos, incluindo o das pessoas acima de 60 anos. Esse é um público que tem potencial de compra, é mais questionador e atento a detalhes. Alguns destaques fazem muita diferença, como acessibilidade, passagens amplas, tamanhos de portas e mobiliário ergonômico e adequado, espaços compartilhados na área comum, preparados para as atividades que atendam essa faixa etária. Outro ponto de atenção são as facilidades para o dia a dia”, diz ela.

Em Curitiba, a A Yoshii lançou o Quintessence, no bairro Batel. O imóvel conta com amplos halls de acesso e um espaço refrigerado na portaria para conservar produtos perecíveis, pensando na comodidade do delivery; detalhes que estão alinhados ao conceito de Senior Living.

Outra tendência é o espaço para o “mercado autônomo” nos empreendimentos, assim como galerias de lojas e serviços. Esses diferenciais estão em outro empreendimento do grupo, o Terrazza di Rimini, emregião nobre de Londrina.

A socialização do grupo 60+ é outra preocupação que vai para os projetos. Assim, a Yoshii incluiu a proposta de coworking para reuniões e home office no Harmonie, lançamento de alto padrão em Campinas (SP). Já no Sky Parque do Ingá, empreendimento em Maringá, os moradores poderão desfrutar desses momentos no rooftop, com vista panorâmica para a Catedral Metropolitana e o Parque do Ingá. Será um espaço de convivência no alto dos 27 andares.

Público 60% empreendimentos construtoras
Mercado no Terraza di Rimini, em Londrina. Divulgação

 

Bioos Home, da saúde à convivência, todo voltado ao público 60+

A construtora Laguna já está comercializando os apartamentos do Bioos Home, área residencial do empreendimento que contempla ainda o Bioos Health, uma grande torre de serviços de saúde, no Alto da Glória, em Curitiba.

O BIoos Home foi pensado para o público 60+, com residências planejadas e preparadas para atender às necessidades dos moradores. “A proposta é que o espaço se adapte ao morador, e não o contrário. Entendemos que cada ciclo deve ser bem vivido com conforto e segurança”, conta Flavia Ranieri, arquiteta que assina o projeto de interiores.

Além, disso, o empreendimento terá uma série de espaços para vivência em comunidade e diferenciais, como atendimento básico de saúde, serviços pay per use de lazer, cuidado, bem-estar, saúde e conveniência; atendimento a domicílio, cuidador, organização, limpeza, reparo e manutenção das residências, e uma rotina de atividades de lazer e bem-estar de acordo com o perfil dos moradores.

Arquitetura amigável nos empreendimentos

Os serviços serão prestados por empresas especializadas e de referência em seus segmentos. “Levamos em consideração a segurança física e emocional, com uma arquitetura amigável capaz de oferecer a máxima independência e autonomia do usuário”, completa Flavia. Para ela, ainda há preconceitos e estereótipos embutidos em decisões de projetos comerciais e residenciais a todo momento.

Entre os diferenciais dos apartamentos estão tomada inteligente para fogão elétrico (com desligamento automático); botão de S.O.S nos apartamentos; sensor de fumaça na cozinha; porta de entrada com 1,10m de largura; interfone com sistema de vídeo; fechadura eletrônica na entrada do apartamento; banheiro acessível e piso aquecido no dormitório e banheiro.

A torre residencial tem 108 unidades, com áreas de 42m² a 83m²; 21 pavimentos; 3 subsolos e 113 vagas de garagem, inclusive uma vaga para ambulância.

Construtoras evitam falar em valores fechados

Quanto custa um imóvel para esse público. As construtoras preferem não dar detalhes de valores ou negociações. A Yoshii informou que os seus imóveis têm valores que vão de R$ 8 mil a R$ 15 mil por metro quadrado. Já a Laguna informou que “há uma série de negociações possíveis” e que os imóveis do empreendimento Bioos Home partem de R$ 12 mil o metro quadrado.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="786322" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]