Expansão do mercado de tecnologia fomenta empregos no setor

Redação

tecnologia, ti, core business, emprego, estágio, vagas de trabalho, vagas de emprego, déficit de profissionais, profissionalização

As atividades tecnológicas têm papel fundamental no processo de expansão dos negócios no mercado empresarial, mas já faz algum tempo que o setor de tecnologia da informação (TI) enfrenta déficit de profissionais. Segundo a International Data Corporation – IDC Brasil, o país precisará de 400 mil trabalhadores na área até 2025, e muitas organizações já buscam por mão de obra especializada.

O aumento da conectividade em nuvem, a tecnologia SAP, a Internet das Coisas (IoT), a inteligência artificial são alguns dos avanços tecnológicos que movimentam o mercado de TI, que teve um crescimento de 7% no primeiro semestre desse ano,

A empresa de tecnologia NTT DATA Business Solutions está com 70 vagas em aberto para o mercado nacional e internacional. A maior demanda é em core business: consultores e gerentes de projeto, com foco nas soluções e linguagens SAP e plataformas ERP. Há oportunidades também nas posições corporate, como financeiro, contábil, marketing e comercial.

Para a gerente de RH, Rosely Maximiano, os valores fortes aliados ao perfil jovem, ávido por conhecimento e crescimento profissional, fazem com que o time de profissionais da NTT DATA considere a empresa um ótimo lugar para trabalhar: “Na NTT DATA, os colaboradores encontram um ambiente colaborativo e de alto desenvolvimento, que preza pela troca de experiências no dia a dia. O crescimento é suportado pela gestão de desempenho e o RH é transparente, com um time disponível para atender dúvidas, reclamações e sugestões. A comunicação entre os níveis hierárquicos não encontra barreiras, o acesso ao grupo de gestores é livre e a receptividade alta. O ambiente é ótimo e saudável”, explica.

Outra característica importante é a modalidade de contratos, via CLT, que garante todos os direitos legais ao profissional, indo na contramão de concorrentes, que buscam com prioridade a redução de custos, fato que gera a perda de empregados em médio e longo prazo. Já em relação ao modo de trabalho no pós-pandemia, o sistema híbrido vai prevalecer, como explica Rosely Maximiano:

“Validamos que é possível ter alta produtividade com o trabalho remoto, mas não abrimos mão da convivência, da possibilidade ampliada de troca e de desenvolvimento presente na relação pessoal. A pandemia acelerou um processo que já era desejado pelos colaboradores e estudado pela empresa. A natureza dos nossos negócios favorece o formato híbrido e é uma tendência crescente dentro do nosso público alvo”, destaca.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="799001" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]