Montadora começa ano contratando 400 funcionários 

Redação

Scania e Volvo paralisam produção por pandemia e falta de insumos

 

A montadora Volvo começou o ano de 2021 contratando  novos funcionários para atender um aumento consistente na demanda por seus caminhões. Com as novas 400 admissões, o número de empregados neste início de ano (3.800) já é maior do que no período anterior à pandemia.

 

“A América Latina é a maior região de negócios de caminhões da Volvo no mundo, mesmo diante do cenário econômico adverso criado pelo coronavírus”, diz  Wilson Lirmann, presidente do Grupo Volvo América Latina. A empresa vê bons sinais de recuperação no Brasil, principal mercado do continente. Com a retomada de alguns segmentos da economia a partir do segundo semestre de 2020 e indicadores positivos para 2021, a Volvo estima que o mercado total de caminhões pesados e semipesados, segmentos em que atua, tenha um crescimento de até 40% este ano.

 

Em 2020, o modelo Volvo FH 540cv foi o caminhão mais vendido do Brasil em todos os segmentos, dos leves aos pesados, com 5.870 unidades emplacadas. Este mesmo feito já havia acontecido em 2019, mostrando a clara preferência dos transportadores pela tecnologia de ponta em segurança e conectividade, baixo custo operacional, baixo consumo de combustível e alta disponibilidade do modelo. Além disso, o Volvo FH 460cv foi o vice-lider da categoria de pesados, com 3.936 unidades emplacadas.

 

A marca encerrou o ano com a entrega de 14.976 caminhões no Brasil, resultado 11,1% inferior ao registrado em 2019, mas abaixo da queda do mercado. Já a linha VM teve crescimento de 24%, com 3.530 emplacamentos em 2020, na soma das versões semipesadas e pesadas do modelo.

 

Além do Brasil, os impactos da pandemia foram sentidos também nos diversos mercados Volvo na América Latina. Houve redução de entregas para a Argentina, que fechou com 816 caminhões (- 25%); Chile, 888 caminhões (- 14%) e Peru, 1.006 caminhões (-29%). A boa recuperação de volumes iniciada no Brasil no segundo semestre garantiu entregas totais de 17.812 unidades no continente, número 13% abaixo do período anterior. No balanço total, o Brasil representou 85% dos negócios de caminhões da marca, enquanto 15% foram distribuídos entre todos os demais países da América Latina.

 

O mercado de Ônibus

 

Em 2020, a Volvo Buses Latin America reforçou mais uma vez sua posição como um dos principais players do setor de transportes comerciais na América Latina. Foram 444 chassis emplacados no Brasil e 711 em diversos outros países do continente. Além disso, houve exportações importantes de chassis para a África. Ao todo, a unidade brasileira da Volvo comercializou 1.402 chassis no ano passado, uma queda de 24% em relação ao período anterior. Um dos destaques foi um ótimo resultado no segmento de ônibus para fretamento no Brasil. As vendas do B270F, o chassi semipesado da Volvo, cresceram 34% em relação ao ano anterior, alcançando um volume de 216 unidades.

 

Divisão financeira do Grupo Volvo, a Volvo Financial Services (VFS) registrou muitos números positivos em 2020. Num ano marcado por muitas incertezas, a VFS ampliou e reforçou suas ações no mercado e encerrou o exercício com um recorde de R$ 2,89 bilhões em novos financiamentos, resultando num crescimento da carteira de financiamentos de 25,7%. A instituição manteve boa participação nos negócios de produtos da marca, alcançando 40% do total de caminhões, ônibus e equipamentos de construção Volvo vendidos no Brasil, somadas as entregas por meio do Banco Volvo e do Consórcio Volvo.

 

O Consórcio Volvo também atingiu um recorde de vendas de cotas, que totalizaram no ano R$ 1,2 bilhão, uma expansão de 17% na comparação com o ano anterior, alcançando um nível histórico de carteira.

 

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="744667" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]