Novo terminal de celulose começa a ser construído no Porto de Paranaguá

Redação

construção do novo terminal de celulose no Porto de Paranaguá

Começou nesta semana a construção do novo terminal de celulose no Porto de Paranaguá pela produtora e exportadora de papéis Klabin, que teve os serviços liberados neste mês pela Portos do Paraná. A expectativa é que o empreendimento gere 180 postos de trabalho, nessa etapa. Quando estiver em operação, serão cerca de 170 colaboradores, diretos e indiretos, na operação do terminal.

“A localização em área primária vai dar ainda mais agilidade à operação de celulose e derivados. É um investimento importante na infraestrutura portuária do Estado, que vai gerar emprego e renda para o litoral”, destaca o diretor-presidente da empresa pública, Luiz Fernando Garcia.

Além da aquisição dos equipamentos e sistemas operacionais, devem ser construídos dois quilômetros de ramais ferroviários e um armazém de 21.860 metros quadrados. O investimento estimado é de cerca de R$ 130 milhões, previsto para 2022.

A área PAR01, de 27.530 metros quadrados, foi arrematada pela Klabin em leilão realizado em agosto de 2019. O contrato de concessão foi assinado no início de 2020, encerrando duas décadas sem novos arrendamentos no Porto de Paranaguá. O contrato de exploração da área é de 25 anos, prorrogáveis por mais 45.

“Estamos felizes de iniciar as obras do novo terminal, atentos a todos os protocolos de segurança e saúde”, comenta Sandro Ávila, diretor de planejamento operacional, logística e suprimentos da Klabin. “Este é um projeto muito importante para a empresa e que trará grande contribuição social e econômica para Paranaguá”, complementa.

A expectativa é que, no primeiro ano de operações, a empresa movimente 1,4 milhão de toneladas pelo porto paranaense. Com a conclusão da segunda fase de expansão da Unidade da Klabin em Ortigueira (Projeto Puma II) – prevista para 2023 – a empresa espera movimentar 2,2 milhões de toneladas por ano via Paranaguá.

A Klabin também realiza investimentos sociais no município. Entre eles, está o programa de apoio à gestão pública, que oferece técnicas de gestão pública e ferramentas de planejamento e monitoramento de ações, de modo a terem um controle mais efetivo das ações planejadas e executadas pelas administrações municipais. A companhia também implementará todas as condicionantes do Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV), que contempla a construção de uma passarela exclusiva no principal ponto de cruzamento ferroviário, que beneficiará cerca de 2.800 trabalhadores por dia, aumentando a segurança dos profissionais no trajeto de acesso ao porto, bem como todas as contrapartidas sociais, que contemplam os programas de educação ambiental nas escolas.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="779595" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]