Operação Lava Jato
Compartilhar

Defesa de Lula reúne fotos de Moro em eventos para pedir suspeição

O foto do momento de aparente descontração do juiz federal Sergio Moro e do senador Aécio Neves (PSDB-MG), durante event..

Narley Resende - 08 de dezembro de 2016, 09:12

O foto do momento de aparente descontração do juiz federal Sergio Moro e do senador Aécio Neves (PSDB-MG), durante evento na noite desta terça-feira (6), fez a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pedir novamente a suspeição do responsável pelos processos da Operação Lava Jato em primeira instância. A foto foi anexada nessa quarta (7) no processo que tramita desde novembro no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).

O juiz recebeu o prêmio de “Brasileiro do Ano na Justiça” em cerimônia promovida pela revista IstoÉ, que também homenageou outras autoridades, como o presidente Michel Temer (PMDB). A defesa de Lula afirma que a imagem mostra “clara relação de proximidade e confraternização com Aécio Neves, notório adversário político do primeiro peticionário”.

No documento, estão reunidas outras imagens em que a defesa de Lula alega que o juiz Sérgio Moro se confraternizou com outros “algozes” do ex-presidente. Entre os casos, estão eventos em que Moro posou com o prefeito eleito de São Paulo, João Dória Jr. e deputado estadual de São Paulo Fernando Capez, ambos do PSDB, e participou de lançamento do Portal da Transparência do governo de Mato Grosso, governado pelo tucano Pedro Taques (PSDB).

A defesa alega que a participação de Moro em eventos de opositores do ex-presidente Lula comprovam a tese de que o magistrado não possui "a necessária isenção, equidistância, imparcialidade para julgar" o processo contra Lula.

Pedido de suspeição da Defesa de Lula com fotos de Sérgio Moro em eventos

Suspeição dos procuradores do MPF

O juiz federal Sérgio Moro rejeitou, na última terça-feira (6), a exceção de suspeição movida pela defesa do ex-presidente Lula contra os Procuradores da República da força-tarefa da Operação Lava Jato.

Para o juiz, é simplória a argumentação de defesa de Lula de que os procuradores seriam suspeitos para denunciar Lula por conta da entrevista coletiva em que apresentaram o ex-presidente com chefe de todo o esquema de corrupção na Petrobras, em 14 de setembro, data em que o MPF apresentou a denúncia.

Segundo os advogados de Lula, a entrevista teria antecipado conteúdo condenatório e teria caracterizado verdadeiro “espetáculo”, contrário à discrição profissional exigida. Alega ainda a Defesa que a denúncia oferecida, com adjetivações como “ardilosamente”, teria sido desrespeitosa, também refletindo exagero, excesso e imparcialidade e que o ex-presidente teria sido elevado a “inimigo capital” dos Procuradores da República, o que justificaria a exceção.

Fotos elencadas pela defesa de Lula na petição:

Com informações do Conjur