Ex-senador Gim Argello chora em depoimento

Narley Resende


O ex-senador Gim Argello, que era do PTB do Distrito Federal, se emocionou no depoimento que prestou nesta sexta-feira (26) de manhã à Justiça Federal do Paraná. O político não admitiu os crimes e chorou muito na presença do juiz federal Sérgio Moro. O magistrado precisou interromper o interrogatório.

A audiência foi retomada minutos depois, quando o réu se recompôs. Gim Argello foi ouvido na condição de réu. Também prestou depoimento o filho dele, Jorge Afonso Argello Junior. A audiência foi a penúltima do processo.

Ambos respondem criminalmente na ação penal decorrente da Operação Vitória de Pirro, a 28ª fase da Lava Jato. O ex-senador é acusado de receber propinas de mais de R$ 5,35 milhões para deixar de convocar empreiteiros a depor na CPMI da Petrobras.

Depoimento

Em mais de duas horas de depoimento, Gim Argello confirmou que pediu doação para sua própria campanha e para coligação que apoiava em 2014. A maior parte do dinheiro foi paga pela UTC. A empreiteira fez doações oficiais a partidos políticos indicados por Gim Argello.

Os recursos foram divididos entre os diretórios distritais do DEM, PR, PMN e PRTB, que formavam, com o PTB de Argello, a coligação “União e Força”, pela qual o ex-senador concorreu a novo mandato, mas não foi eleito.

Em reunião com Léo Pinheiro (OAS), Ricardo Pessoa (UTC) e o lobista Julio Camargo, Argello afirma que acertou o pagamento de doações eleitorais com base em pesquisas da época.

“Vocês vão fazer realmente o anel viário de Brasília?’. Eu falei que vamos fazer o Anel Viário de Brasília, para tirar os caminhões que passam em frente ao Park Shopping. ‘Vocês vão fazer BRT’, vamos fazer sim. ‘Gim, você acha que nós temos condições de disputar essa licitação?’ Se você disputar e ganhar as licitações é evidente. Eu queria fazer uma doação sim, mas eu queria fazer pro governador. Eu queria ter os dados. Você acha que quem ganha a eleição? Acho que eu ganho a eleição, acho que o Arruda ganha a eleição, acho que as filhas do Roriz, uma era candidata a deputada federal e a outra distrital, ganha a eleição, e acho que o Fraga ganha a eleição. Deputado Fraga”, relata.

“Doou para o governador (José) Arruda, porque Brasília é um canteiro de obras. Doou para o deputado o deputado Roberto Fraga, doou para a Jaqueline Roriz e para e para a Liliane Roriz. E pra mim nada. Você esta em terceiro nas pesquisas e lá eles têm por norma a só doar para quem ganha eleição”.

O juiz perguntou: “Esse pessoal era da sua coligação?”

“Era sim, fui eu que pedi pra ele. Mas pra mim ele não quis doar. Eles doaram mais de 700 milhões (na eleição). Pra mim (pra coligação) foi menos de 1% que eles doaram”, disse.

Apesar de confirmar as doações, o ex-senador negou que tenha alterado o resultado da CPMI.

“Depois que eles (empreiteiros) foram presos no dia 14 (de novembro de 2014), no dia 18 aparecerem requerimentos para cada um dos empreiteiros envolvidos, Leo Pinheiro, Ricardo Pessoa…”.”Foi feito o pior. O pior que pode ser feito em uma CPI. Foi pedido indiciamento, quebra de sigilo”, disse ao negar que tenha dado contrapartida para receber as doações.

Veja os vídeos

Durante todo o depoimento Gim Argello se mostrou arrependido. “Quando o senhor prendeu todo mundo eu devia ter ido ao microfone lá na CPI e dito: ‘gente, eu pedi doação eleitoral para a UTC, pro Ricardo Pessoa e recebi doação eleitoral dele e recebi doação eleitoral do Julio Camargo. Eu devia ter feito isso”. “Até aí ninguém sabia que esse povo, que existia cartel, que existia clube de propina.”

A ação penal apura o pagamento de propina ao ex-senador Gim Argello (ex-PTB/DF) para evitar a convocação de empreiteiros para depor na CPMI da Petrobras. O ex-senador está preso desde 12 de abril, quando foi deflagrada a operação chamada de Vitória de Pirro.

Além dos R$ 5,35 milhões em doações eleitorais, mais R$ 350 mil teriam sido depositados pela construtora OAS, a pedido de Gim Argello, na conta da paróquia São Pedro, de Taguatinga, no Distrito Federal. De acordo com a denúncia do Ministério Público, pelo menos quatro empreiteiras pagaram propina ao ex-senador: UTC Engenharia, OAS, Toyo Setal e Odebrecht.

Outras três também teriam sido assediadas por Argello, mas não pagaram os recursos exigidos. O processo tem nove réus. Cinco deles foram interrogados nesta semana: três executivos da OAS, que permaneceram em silêncio, e dois da UTC, que confirmaram depoimentos que já haviam prestado em colaboração premiada.

Na segunda-feira que vem (29), às 10h, a Justiça Federal encerra a fase de interrogatórios com o depoimento dos dois últimos réus: Paulo Cesar Roxo Ramos e Valério Neves Campos. Eles são apontados como auxiliares de Argello na movimentação de recursos recebidos de empreiteiras.

Depois dos interrogatórios, a defesa dos acusados e o Ministério Público Federal apresentam por escrito as alegações finais. Em seguida, o juiz pode proferir a sentença.

Previous ArticleNext Article