Operação Lava Jato
Compartilhar

João Cláudio Genu e mais três viram réus da Lava Jato

O juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato em primeira instância, acatou a denúncia do Ministério Público Federal (M..

Fernando Garcel - 28 de junho de 2016, 15:18

O juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato em primeira instância, acatou a denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra o ex-tesoureiro do Partido Progressista, João Cláudio Genu, e outros envolvidos no esquema de corrupção da Petrobrás nesta terça-feira (28).

Detido na Superintendência da Polícia Federal (PF), em Curitiba, desde a deflagração da 29ª fase da operação, batizada de "Repescagem", o ex-tesoureiro deve responder por crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e pertinência à organização criminosa. Segundo a denúncia do MPF, Genu é suspeito de ter recebido e ajudado a distribuir valores em espécie do esquema de corrupção da Petrobras. De acordo com declarações de delatores da Lava Jato, o PP foi o responsável pela nomeação de Paulo Roberto Costa ao cargo de Diretor de Abastecimento da Petrobrás e em contrapartida o ex-dirigente apoiava financeiramente o partido.

 A imputação naquele caso, da forma como formulada, abrangendo todas as entregas em espécie por ele realizadas, envolve a presente", diz o juiz.

Outros denunciados

Além de João Cláudio Genu, também tornam-se réus da Operação Lava Jato o sócio do tesoureiro, Lucas Amorim Alves, e os funcionário de Alberto Youssef, Rafael Ângulo Lopes e Carlos Alexandre de Souza Rocha, conhecido como "Ceará". Todos eles vão responder por corrupção passiva.