Operação Lava Jato
Compartilhar

João Santana, Mônica Moura e mais quatro são condenados na Lava Jato

Com Tábata Viapiana O publicitário João Santana e sua esposa Mônica Moura foram condenados a 8 anos e quatro meses de pr..

Narley Resende - 02 de fevereiro de 2017, 12:07

Com Tábata Viapiana

O publicitário João Santana e sua esposa Mônica Moura foram condenados a 8 anos e quatro meses de prisão, para cada um, pelo crime lavagem de dinheiro. É a primeira sentença contra o casal no âmbito da Lava Jato.

A sentença foi proferida pelo juiz Sérgio Moro na manhã desta quinta-feira (2). João Santana e Mônica Moura foram condenados pela primeira vez no âmbito da operação Lava Jato. Cada um foi punido com oito anos e quatro meses de prisão pelo crime de lavagem de dinheiro. Eles foram acusados por manter US$ 7,5 milhões em propina em uma conta secreta na Suíça.

Na sentença, Moro afirmou que os serviços eleitorais realizados pelo casal na campanha presidencial de 2010 teriam sido pagos com dinheiro desviado da Petrobras, o que afeta, segundo o juiz, a integridade do processo político democrático. João Santana e Mônica Moura foram presos em fevereiro do ano passado, na 23ª fase da Lava Jato, e acabaram soltos em agosto. Os dois já demonstraram interesse em assinar uma delação premiada, mas as negociações ainda não avançaram.

No mesmo processo, Moro também condenou o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, a dez anos de prisão pelo crime de corrupção passiva. Ele é acusado de ter intermediado o pagamento de propina de mais de quatro milhões de dólares ao PT. Na sentença, o juiz criticou a conduta de Vaccari e afirmou que a corrupção reiterada praticada por ele teria contaminado a esfera política. Vaccari está preso em Curitiba há quase dois anos e já tinha sido condenado anteriormente em outras ações da Lava Jato.

Mais três delatores também foram condenados nesta quinta-feira: o operador Zwi Skornicki, o ex-gerente da Petrobras, Eduardo Musa, e o ex-presidente da Sete Brasil, João Ferraz. Eles vão cumprir as penas em regimes diferenciados, conforme os acordos firmados com o Ministério Público.