Operação Lava Jato
Compartilhar

Justiça do Rio encaminha ação contra Cunha para Sérgio Moro

A Justiça redistribuiu para a 13ª Vara Federal de Curitiba, a base da Operação Lava Jato na responsabilidade do juiz Sér..

Andreza Rossini - 30 de janeiro de 2017, 17:02

A Justiça redistribuiu para a 13ª Vara Federal de Curitiba, a base da Operação Lava Jato na responsabilidade do juiz Sérgio Moro, o processo em que os ex-deputados federais Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e Solange Almeida (PMDB-RJ) respondem por lavagem de dinheiro e corrupção passiva, devido a propinas pagas na compra de navios-sonda pela Petrobras.

O processo foi transferido a pedido do Ministério Público Federal (MPF). A denúncia foi recebida em março do ano passado pelo Superior Tribunal Federal (STF) e redirecionada para a  Procuradoria Regional da República da 2ª Região (PRR2), no Rio de Janeiro, quando Cunha foi cassado e perdeu o foro privilegiado de deputado.

Cunha é acusado de pedir US$ 40 milhões ao empresário Júlio Camargo para viabilizar a contratação de uma empresa para fornecer dois navios-sondas para a estatal. A Petrobrás utilizou os navios para realizar perfuração na África e no Golfo do México e atua como assistente de acusação no processo.

Almeida é acusada de participar da ação, assim como o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, Fernando Baiano e Fernando Soares. Apenas os dois acusados nesse processo não foram condenados por esta ação na Justiça.

Esta é a segunda ação penal que corre em primeira instância contra o ex-presidente da Câmara.

Eduardo Cunha está preso no Complexo Médico Penal de Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, desde outubro do ano passado.  De acordo com os procuradores do MPF, responsáveis pelo pedido de prisão, o ex-parlamentar representava risco à instrução ao processo, à ordem pública, como também a possibilidade concreta de fuga em virtude da disponibilidade de recursos no exterior, além da dupla nacionalidade. O MPF cita diversas manobras adotadas por Cunha para obstruir a justiça.