Operação Lava Jato
Compartilhar

Renan Calheiros é denunciado na Lava Jato por receber R$ 800 mil em propina

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciou nesta segunda-feira (12) ao Supremo Tribunal Federal (STF) o p..

Fernando Garcel - 12 de dezembro de 2016, 14:05

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciou nesta segunda-feira (12) ao Supremo Tribunal Federal (STF) o presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB) pelo recebimento de R$ 800 mil em propinas e lavagem de dinheiro no âmbito das investigações da Lava Jato. Além do senador, o deputado Aníbal Gomes (PMDB) também foi denunciado pelos mesmos crimes e Paulo Twiaschor, diretor da empreiteira Serveng, deve responder por corrupção ativa.

De acordo com a denúncia, ambos receberam os pagamentos por meio de doações oficiais da empreiteira Serveng e em troca os parlamentares ofereceram apoio político para manutenção de Paulo Roberto Costa no cargo de diretor de abastecimento da Petrobras. Lá, o ex-diretor da estatal manobrava para que a Serveng participasse de licitações.

> Maioria do STF vota para manter Renan na presidência do Senado

> “O que passou não volta mais”, diz Renan sobre a volta à presidência do Senado

Segundo as investigações, o diretor comercial da Serveng, Paulo Twiaschor, também denunciado, fez as doações ao Diretório Nacional do PMDB: R$ 500 mil em agosto de 2010 e R$ 300 mil em setembro do mesmo ano. O interesse da empreiteira era participar de licitações mais vultosas na Petrobras, o que foi viabilizado a partir do começo de 2010. A denúncia informa que esses valores seguiram do Diretório Nacional do PMDB para o Comitê Financeiro do PMDB-AL e deste para Renan Calheiros, mediante diversas operações fracionadas, como estratégia de lavagem de dinheiro.

> Após desafiar Justiça, Renan diz que decisão judicial ‘é para se cumprir’

O apoio do PMDB para a manutenção de Paulo Roberto Costa na Diretoria de Abastecimento, incluindo o do senador Renan Calheiros, foi confirmado em colaboração premiada por Alberto Youssef, Fernando Falcão Soares e Delcídio do Amaral. A denúncia também inclui diversos elementos de prova, como registros de entradas na Petrobras e quebras de sigilo bancário.

Na denúncia, a PGR requer a condenação de Renan Calheiros e Aníbal Gomes por crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, além da perda das funções públicas. O diretor comercial da Serveng, Paulo Twiaschor, é acusado de de corrupção ativa e lavagem de dinheiro. A procuradoria também requer a reparação dos danos materiais no valor mínimo de R$ 800 mil e de R$ 800 mil para os danos transindividuais causados, equivalente ao valor da propina.