câmara de apucarana
Compartilhar

Mesmo absolvido, Okamotto apela de sentença

Absolvido pelo juiz Sérgio Moro na ação penal em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi condenado a nove..

Roger Pereira - 18 de julho de 2017, 23:00

Absolvido pelo juiz Sérgio Moro na ação penal em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi condenado a nove anos e meio de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamoto, apresentou, nesta terça-feira, recurso de apelação contra a decisão do magistrado.

Apesar da absolvição, Okamoto contesta os motivos pelos quais não foi condenado, ausência de provas. Segundo a defesa, o recurso foi apresentado pelo fato de Okamoto estar “inconformado com o fundamento legal lançado na sentença para absolvê-lo ‘por falta de prova suficiente da materialidade (art. 386, VII, do CPP)’”

Ao contrário do Ministério Público Federal, que apresentará as razões de sua apelação para o próprio juiz da 13ª Vara Fedeal de Curitiba, a defesa de Okamoto informou que apresentará suas razões recursais diretamente perante o Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

Apesar de ainda não apresentar suas alegações, a defesa do presidente do Instituto Lula adianta a insurreição quanto à inadequada capitulação, “já que o fato não constitui crime, por ser manifestamente atípico”

A defesa aproveita o recurso para rechaçar as manifestações incontidas deste juízo quanto à atuação combativa da defesa. “Registra que tal manifestação, de que ‘o juízo é absolutório em relação a Paulo Tarciso Okamotto e isso apesar do comportamento inadequado do defensor’, descortina a parcialidade manifesta daquele que não admite a contraposição”. Para os advogados, “a frase é psicanaliticamente sintomática e revela que o juízo se comporta como parte e se ofende com razões técnicas”.

Também nesta terça-feira, os executivos da OAS José Aldemário Pinheiro Filho e Agenor Franklin Magalhães Medeiros, condenados por Moro na sentença, apresentaram recurso de apelação, informando que apresentarão suas razões ao TRF4.