Operação Lava Jato
Compartilhar

Moro estipula fiança de R$ 1 milhão para ex-tesoureiro do PT deixar prisão

Com Thaissa MartiniukO juiz federal Sérgio Moro revogou na tarde desta sexta-feira (16) a prisão preventiva do ex..

Fernando Garcel - 16 de dezembro de 2016, 18:00

Com Thaissa Martiniuk

O juiz federal Sérgio Moro revogou na tarde desta sexta-feira (16) a prisão preventiva do ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT), Paulo Alves Ferreira. Porém, para deixar a cadeia, Paulo Ferreira terá que pagar uma fiança de R$ 1 milhão.

Ele foi alvo da Operação Abismo, 31ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada em julho deste ano, mas já estava detido desde 24 de junho, pela Operação Custo Brasil, que investiga fraudes no crédito consignado de servidores públicos. No despacho, Moro disse que o investigado já não oferece mais riscos à investigação.

> Ex-tesoureiro do PT e mais 13 viram réus na Lava Jato

Além de pagar a fiança, o ex-tesoureiro está proibido de deixar o país; precisa comparecer a todos os atos do processo; está proibido de deixar a residência por mais de 20 dias e de se mudar sem autorização do juízo. Moro também determinou que Ferreira não pode ser aproximar ou contatar direta ou indiretamente outros acusados ou testemunhas que respondem ao processo.

> Ex-tesoureiro do PT diz que pagamento de propina é “obvio” em partidos

No Paraná, o ex-tesoureiro é um dos 14 réus da ação penal decorrente das investigações sobre o pagamento de propinas em obras para a ampliação do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento (Cenpes) da Petrobras. Em depoimento esta semana ao juiz federal Sérgio Moro, o ex-tesoureiro do PT confirmou o recebimento de recursos informais pelo partido para financiar campanhas eleitorais. Ferreira afirmou que o uso de recursos ilícitos é “óbvio” e que isso “é um problema da cultura política nacional”. O ex-tesoureiro disse ainda que a prática criminosa é feita por todos os partidos.