Operação Lava Jato
Compartilhar

Moro homologa delação de executivos de banco da propina da Odebrecht

O juiz Sérgio Moro homologou os acordos de delação premiada dos três executivos que adquiriram em 2010 junto com um ex-f..

Jordana Martinez - 22 de julho de 2016, 16:32

Rovena Rosa/Agência Brasil
Rovena Rosa/Agência Brasil

O juiz Sérgio Moro homologou os acordos de delação premiada dos três executivos que adquiriram em 2010 junto com um ex-funcionário da Odebrecht o “banco da propina” utilizado para a empreiteira movimentar dinheiro de pagamentos ilícitos, inclusive para o marqueteiro do PT João Santana, e que movimentou no total US$ 1,6 bilhão até 2014. A informação foi divulgada pelo blog de Fausto Macedo, do Estadão.

Marco Bilinski, Vinícius Borin e Luiz França, que atuavam no setor financeiro trabalhando como captadores de clientes para o banco no Brasil, acordaram em pagar R$ 1 milhão de multa cada um e também repatriar todos os bens que possuírem no exterior, pagando os impostos às autoridades brasileiras. O valor dos bens no exterior, porém não foi divulgado.

Da multa, 90% será destinado para ressarcir a Petrobrás e 10% para os órgãos de investigação, como o Ministério Público Federal e a Polícia Federa. Os acordos foram homologados no dia 12 de julho e tornados públicos para que as defesas dos executivos do departamento de propinas da empreiteira tivesse acesso aos documentos.

Com a homologação, as delações dos três executivos poderão ser utilizadas para novas investigações sobre a complexa rede financeira de 41 offshores – empresas em paraísos fiscais – montada pela maior empreiteira do País para pagar propinas em obras que vão além do esquema de corrupção na Petrobrás.